MENU

O silêncio no deserto

Não o silêncio opressor ou o silêncio da solidão do deserto. Mas sim, o silêncio que torna o deserto uma escola. Uma escola de um aluno só, não sozinho, mas só

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quarta-feira, 2 Julho de 2014 as 11:38

desertoPelas nossas escolhas (Gálatas 6:7) ou por sermos levados pelo Espírito, todos passaremos pelo deserto (Mateus 4:1). De forma figurada, entenda o deserto como quiser: provas, aflições, lutas, perseguições, etc. O deserto é sem cor, sem vida, muito quente pela manhã e muito frio pela noite.

Passar algum tempo no deserto desestabiliza nosso raciocínio e faz as emoções chegarem à flor da pele.

Ninguém consegue “pular” o deserto.

Ninguém dá as boas-vindas ao deserto.

Só tem uma coisa boa no deserto: o silêncio.

Não o silêncio opressor ou o silêncio da solidão do deserto. Mas sim, o silêncio que torna o deserto uma escola. Uma escola de um aluno só, não sozinho, mas só.

O silêncio é importante para saber distinguir as vozes que se ouve no deserto (Mateus 4:3).

Silêncio que nos fará olhar onde não costumamos olhar quando estamos fora do deserto: olhar para dentro. E olhar para dentro, às vezes, custa caro; pois podemos não gostar de nos conhecer em meio ao deserto. Mas no deserto não vai haver muita coisa para se apreciar mesmo. E os benefícios de se olhar para dentro são enormes.

O silêncio no deserto é o grito da calma que irá nos ensinar a organizar as nossas ações, emoções e desejos; pois nenhum deserto justifica o pecado (Mateus 4:4).

Por isso, quando estiver no deserto aprecie o silêncio. Ele te acalmará e provocará fome na sua fé, que deve ser alimentada pelo discernimento.

E aguarde, pois no fim de todo deserto há vida, há cor, há alimento e há recomeço (Mateus 4:11).

Deus trabalha no silêncio.


- Anderson Zanella

veja também