"É preciso amar as pessoas como se não houvesse eleições"

Cá entre nós, preferências partidárias jamais deveriam destruir o que de mais belo recebemos do Criador, nossa capacidade de amar e sermos amados

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Sexta-feira, 24 Outubro de 2014 as 3:41

urnaO título acima emprestei de uma frase das redes sociais. Desconheço o autor, porém considero necessária e pertinente para o momento que respiramos em nosso país. De ambos os lados, o que estamos assistindo é uma “guerra de conveniências”. Se meu candidato for ganhar mais alguns votos, é tudo legal. Se for perder votos, é tudo ilegal.

A irresponsabilidade de ambos os lados flerta diariamente com perigos sociais evidentes, pois usa-se os mesmos expedientes rasteiros, e perigosos, dos cartolas no mundo do futebol, onde um provoca e agride os demais via imprensa, deixando os nervos dos torcedores a flor da pele. Ou não é exatamente isso que estão formando no inconsciente coletivo? Ricos x Pobres, Sudeste x Nordeste, Nós x Eles?

Depois de domingo a vida continuará. E para o bem de todos deverá continuar com a convivência, a coexistência e a comunhão, tão fundamentais para celebrarmos amizades, familiares, mestres. E cá entre nós, preferências partidárias jamais deveriam destruir o que de mais belo recebemos do Criador, nossa capacidade de amar e sermos amados. Amamos de forma imperfeita, eu sei, mas mesmo assim, uma das pouquíssimas centelhas divinas que insiste em se expressar através de nós é o amor.

Não me acho nem melhor nem pior que ninguém. Tenho minhas convicções e também incertezas. A cada escolha e decisão, sempre penso, analiso e questiono todos os lados comparando-os com os valores, promessas, conselhos e exemplos deixados por Aquele que me chama de eleito. Isso mesmo. No próximo domingo milhões vão votar para eleger apenas um dos candidatos. Enquanto Ele, sozinho, deixou Seu “voto” eterno numa cruz para eleger milhões.

É por isso que tento ouvir a voz dEle e saber Sua vontade. Alguém que morreu por mim merece a prioridade nas principais decisões da minha vida. E é só por causa dEle que conseguimos agir com respeito, tolerância e amor por aqueles que pensam diferente.

É preciso amar as pessoas como se não houvesse eleições. E é preciso porque um dos principais motivos visa defender a saúde do próprio coração e do intelecto. Certa vez, respondendo sobre a fácil questão de lavar ou não as mãos para comer, Jesus deu uma profunda explicação: “Porque é do coração que vêm os maus pensamentos que levam ao crime, ao adultério e às outras coisas imorais. São os maus pensamentos que levam as pessoas a roubar, mentir, caluniar. São essas coisas que fazem alguém ficar impuro.” Mateus 15: 19-20 (BLH).

Vote consciente. Vote com responsabilidade quanto aos caminhos da nossa nação. Vote com coerência em relação a vida que você vive como um todo. Vote com serenidade e não com o furor característico dos torcedores de um mísero gol. Mas não se esqueça jamais dAquele que votou numa cruz em você, afinal, no fim de tudo, é Ele quem governa a vida, a história, o amanhã.

Paz!


- Edmilson Mendes
e-mail: mendeslongo@uol.com.br
blog: calicedevida.com.br
twitter: @Edmilson_Regina

 

veja também