Imbecilidade e estupidez matam. E muito

Nas disputas inconsequentes que universitários continuam promovendo, a pergunta sinistra continua causando: Quem morre primeiro? Não sei. Mas sei quem vive primeiro. Vive todo aquele que mergulha na graça dAquele que é a própria vida: Jesus Cristo

fonte: Guiame, Edmilson Mendes

Atualizado: Terça-feira, 10 Março de 2015 as 10:45

Humberto Moura Fonseca
Humberto Moura Fonseca

Humberto Moura Fonseca, 23 anos, aluno do 4o ano de engenharia elétrica da Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Bauru, resolveu participar de uma disputa Inter Reps. Tragicamente, foi a última vez que participou.

O nome Inter Reps se explica por reunir estudantes de repúblicas. Na disputa que Humberto participou, 2000 pessoas estavam presentes. E qual a disputa? Trata-se de uma competição entre estudantes para ver quem bebe mais em menos tempo. Depois de beber trinta copos de 50 mililitros de vodca em trinta minutos, o que dá 1,5 litro, ele passou mal, colegas o levaram a um hospital local mas, infelizmente, já chegou sem vida.

Festanças regadas a álcool promovidas por universitários já são lugar comum. Os alunos que evitam enfrentam chacotas humilhantes. Os ingênuos que não querem beber mas vão nas festas, acabam, muitos deles, sendo obrigados a ingerir bebidas. Ou seja, misturam álcool, imbecilidade e estupidez, resultando em drinks absolutamente mortais.

Na página do Facebook do estudante que morreu com overdose por álcool tinha uma frase estampada, pertencente a um poema de Vladimir Maiakovski: “Melhor morrer de vodca do que de tédio”. Ironicamente foi isso que aconteceu, 1,5 litro de vodca provocou a morte de um garoto com apenas 23 anos e uma vida inteira pela frente.

Nunca uma geração teve tantas oportunidades e recursos tecnológicos facilitadores como a atual, nunca o acesso a informação e ao conhecimento foi tão rápido e simples e, inexplicavelmente, nunca se viu uma geração debochar, desperdiçar e negligenciar tanto a própria vida.

É muita estupidez e imbecilidade. E estas características não foram detectadas por mim, mas por jornalistas que cobriram a tragédia. Aqui com meus botões, sei que “só” a estupidez e a imbecilidade definidas pelos jornalistas não explicam tudo, mas também corações e mentes vazias produzirão cada vez mais eventos absurdos que nos deixarão de queixo caído, apreensivos com as selvas urbanas para as quais enviamos os nossos jovens todos os dias.

Nas disputas inconsequentes que universitários continuam promovendo, a pergunta sinistra continua causando: Quem morre primeiro? Não sei. Mas sei quem vive primeiro. Vive todo aquele que mergulha na graça dAquele que é a própria vida: Jesus Cristo.


- Edmilson Mendes
e-mail: mendeslongo@uol.com.br
blog: calicedevida.com.br
twitter: @Edmilson_Regina

 

.

veja também