MENU

Luto por outro mundo possível

Luto por outro mundo possível

Atualizado: Segunda-feira, 3 Março de 2014 as 8:45

sonharA vida se torna cada vez mais exigente.
Estamos todos sob o crescente imperativo de nos mantermos probos.
Austeridade e gravidade viraram palavras de ordem.
 
Ninguém sabe como, mas prevalece a instrução de nunca perdermos a lógica.
Se precisamos brincar, não esquecer de mapear o riso antes.
Sob olhares sisudos, esboçar a silhueta lúcida do circunspeto.
Cobram que nos antecipemos aos desdobramentos de todas as nossas atitudes.
Alguns aconselham uma coragem tão radical, que beiram a arrogância.
Depois se contradizem com o aviso: que ninguém ouse riscar fora do quadradinho no caderno de aritmética.
 
No estreito beco por onde se espremem os imutáveis, não se ri.
Na catedral sombria dos dogmáticos, não se poetiza.
Os mestres da verdade se consideram capazes de parar o sol no meridiano – sem derramarem uma lágrima por uma criança que sofre.
 
Vivemos em um mundo onde os impolutos são caçadores e os sensíveis, caça.
Os comandos são: eficiência, utilidade, otimização.
Na sociedade da eficácia, os que parecem improdutivos são condenados a viajar no último vagão.
Empreendedores detestam jardineiros – Desnecessários, dizem.
Arrojados odeiam contemplativos - Não passam de vagabundos, insistem.
Não há respeito por quem não transforma tempo em dinheiro.
No mundo da competição, afeto, só se houver vantagem.
 
Acredito em outro mundo possível.
Luto pela chegada de um tempo em que não se tratará fragilidade como deficiência.
E nem o reconhecimento da precariedade da vida como fraqueza.
 
Me esforço por uma realidade alternativa.
Desejo ver os tribunais julgando a miséria como insulto, a guerra como anacronismo e o trabalho infantil como maldição.
Anelo por igrejas inclusivas e não discriminatórias.
Sei da fragilidade de minhas expectativas.
 
Sustento minha esperança no tênue filamento que homens e mulheres de boa vontade seguraram antes de mim.
Meu idealismo resiste.
 
Apesar de reconhecer que sou mera gota que o tempo transformará em vapor, vivo por um mundo mais solidário, menos hermético e mais livre.
Desejo espalhar o que restou da Imago Dei em mim.
 
Assim me transformo, na resoluta decisão de impedir que a vida se esvaia pelas trincas do descaso ou seja esmagada sob o jugo do autoritarismo.
 
Soli Deo Gloria
 
 
- Ricardo Gondim
 

veja também