MENU

Quando impomos limites ao amor, ele vira discriminação

A quem eu consigo amar? Por quanto tempo? Até onde? Em quais circunstâncias? Em quais postos e posturas? Apesar de quê ?

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quinta-feira, 11 Setembro de 2014 as 9:58

amor3Mateus: 5. 43. Ouvistes que foi dito: Amarás ao teu próximo, e odiarás ao teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem.

Quando impomos limites ao amor, ele vira discriminação.
O amor não tem filtros, quem filtra é o partidarismo, o título, a posição social, a religião, o sexo, a torcida, a tribo e a etnia.

Quem ama inclui o perseguidor no seu quadro de orações, distribui abraços sinceros por quem bate na sua face direita, joga temperos ao ar, empresta o desodorante, realça todos os sabores, passa a bola para o adversário, troca a camisa, a meia, a marmita e se for preciso até a cueca.

Sentado aqui na minha varanda olho para estes valores como se fossem uma paisagem utópica da qual anelo participar. Desejar não basta, nem plantar uma árvore para ficar olhando não é o bastante, preciso ser parte disso e dar flores e frutos em todas as estações.

Jesus tentou se infiltrar entre os fariseus, procurou se imiscuir entre os religiosos, ameaçou sensibilizar os cobradores de impostos, abordou centuriões, temperou palavras com sal, aplicou amaciantes em carne dura, mas encontrou dura resistência. Mesmo assim amou até o fim, pois amor não se cansa de esperar.

A quem eu consigo amar? Por quanto tempo? Até onde? Em quais circunstâncias? Em quais postos e posturas? Apesar de quê ?

Não há como evitar a radicalidade do Evangelho. É por mim ou contra, ajunta ou espalha, ama ou deixa.


- Ubirajara Crespo

 

veja também