Somos jurados, mas não juízes

Somos jurados, mas não juízes

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:08

 

juriMas agora vos escrevi que não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais. 1 Coríntios 5:11
 
Este versículo nos coloca na difícil posição de jurados, que apresentam seu veredito, mas deixam a sentença por conta do Juiz.
 
O golpista faz com que os outros sofram as consequências sua capacidade de camuflar a verdade atrás de uma moralidade determinada pelas circunstâncias. Procura aliviar a sua consciência alegando ser vitima de algum tipo de doença mental que o controla.
 
Neste mundo fantasioso ele desempenha um papel épico, de cujo script ele mesmo foi o autor. Sua capacidade pode ser turbinada por demônios que o inspiram a compor "grandes revelações", criar ilusões e arrumar o cenário conforme lhe convier. Move pessoas como se fossem objetos ou peças de um tabuleiro de xadrez, mas alega não ser ele, mas alguma entidade diabólica que o controla.
 
Suas fantasias podem ser alimentadas por uma esquizofrenia religiosa capaz de gerar surtos de messianidade. Este recurso dramático ele sabe como, quando e com quem deve usar, e assim renovar a cara de seu auditório e enche-lo de novos adeptos e mantenedores.
 
Este sujeito não rasga dinheiro, não bate a cabeça na parede e nem se veste de Napoleão. Ele é absolutamente normal, mas se conseguir nos convencer de sua esquizofrenia, deve ser afastado do convivo social para tratamento.
 
 
Ubirajara Crespo
 
Siga-nos

Mais do Guiame