Deltan Dallagnol estará na CBB 2016, falando sobre as mudanças que o Brasil tanto espera

“Dentro da minha cosmovisão cristã, eu acredito que existe uma janela de oportunidade que Deus está dando para mudanças. É isso aí. Deus está respondendo”, diz o procurador Deltan Dallagnol.

fonte: Guiame, Cris Beloni

Atualizado: Quarta-feira, 2 Março de 2016 as 5:17

Imagem promocional da palestra "10 Medidas Contra a Corrupção", ministrada pelo procurador Deltan Dallagnol, na Expo CBB 2016. (Imagem: Divulgação / CBB 2016).
Imagem promocional da palestra "10 Medidas Contra a Corrupção", ministrada pelo procurador Deltan Dallagnol, na Expo CBB 2016. (Imagem: Divulgação / CBB 2016).

O Ministério Público Federal (MPF) fez uma proposta que favorece a todos os brasileiros que estão cansados da impunidade no país: transformar a corrupção em crime hediondo, que do ponto de vista da criminologia, é o tipo de crime mais grave e que causa maior aversão à sociedade. Em vídeo publicado no site “MPF Combate à Corrupção”, Deltan Dallagnol e outros três procuradores da República, Orlando Martello, Paulo Galvão e Carlos Lima, fazem um apelo à população para que defenda as medidas propostas pela equipe, através de assinaturas que servirão como uma manifestação de apoio à aprovação no Congresso.

No final de 2015, o lançamento da campanha visava coletar 1,5 milhão de assinaturas para que a proposta pudesse ser apresentada como projeto de lei no Congresso, e agora em março, esse número já chega a mais de 1,6 milhão, provando que os brasileiros aderiram à campanha e que estão esperançosos por mudanças. “Essa receptividade da campanha reflete o sentimento de que algo precisa ser feito para ampliar o efetivo enfrentamento da corrupção. A tarefa diária de construir barreiras para conter o fenômeno da corrupção é coletiva e nenhum país consegue vencê-lo senão com políticas públicas bem delineadas e, fundamentalmente, com a participação intensa da sociedade civil”, sustentou o coordenador da Câmara de Combate à Corrupção do Ministério Público Federal, subprocurador-geral da República, Nicolao Dino.

Segundo o coordenador da força-tarefa Lava Jato em Curitiba e um dos idealizadores da campanha, procurador da República Deltan Dallagnol, cada vez mais a sociedade tem consciência de que, contra a corrupção, uma assinatura vale mais que mil reclamações. “Estão chovendo assinaturas, mas elas não caem do céu. Em cada assinatura, vejo o mover de cidadãos que, cheios de amor pelo país, estão cruzando a ponte que leva da indignação à transformação, não se deixando afogar no rio da desesperança”, disse ele.

No vídeo que promove a proposta do MPF contra os crimes na esfera pública, Dallagnol diz que a Lava-Jato é uma esperança para todos, mas para que estas ações funcionem, é preciso que haja mudanças nas leis. “Por isso, o Ministério Público propôs 10 medidas, com três focos principais: prevenção, fim da impunidade e recuperação do dinheiro desviado”, explica um dos procuradores da República, Orlando Martello. Resumidamente, as 10 medidas são estas:

1. Investimento na prevenção à corrupção;
2. Criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos;
3. Aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores;
4. Aumento da eficiência e da justiça dos recursos no processo penal;
5. Aumento da eficiência nas ações de improbidade administrativa;
6. Reforma no sistema de prescrição penal;
7. Ajustes nas nulidades penais;
8. Responsabilização objetiva de partidos e criminalização do ‘caixa 2’ e lavagem eleitorais;
9. Prisão preventiva para evitar a dissipação do dinheiro desviado;
10. Medidas para recuperar o lucro derivado do crime.

Deltan Dallagnol espera que o povo brasileiro permaneça unido nesse propósito. “Alguns de vocês colocam suas esperanças em nós, e nós, agora, colocamos nossas esperanças em vocês. Sozinhos podemos muito pouco, mas juntos, vamos transformar o nosso país. Para ouvir mais a respeito das ideias de Dallagnol, participe da CBB 2016, onde ele estará palestrando sobre o tema “corrupção” e fazendo parte de um movimento de transformação, onde haverá momentos de conscientização, fortalecimento da fé e motivação para fazer parte das mudanças.

Fontes: Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria-Geral da República e lavajato.mpf.mp.br

veja também