Igreja e governo são desafiados a combater a pornografia, no Reino Unido

A campanha "P Word" ("Palavra com P") foi organizada por duas instituições cristãs, "The Naked Truth" e "CARE", para "educar e equipar os líderes da igreja para resistir à cultura prejudicial de acessar pornografia".

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Domingo, 26 Junho de 2016 as 10:21

"O que começa como uma busca pelo prazer, em seguida, torna-se uma forma de escapar da dor". (Foto: FocusOnTheFamily)
"O que começa como uma busca pelo prazer, em seguida, torna-se uma forma de escapar da dor". (Foto: FocusOnTheFamily)

Igreja e governo do Reino Unido foram desafiados a enfrentar os efeitos da pornografia sobre os jovens e famílias em uma grande conferência, realizada na última quinta-feira (23).

A campanha "P Word" ("Palavra com P") foi organizada por duas instituições cristãs, "The Naked Truth" e "CARE", para "educar e equipar os líderes da igreja para resistir à cultura prejudicial de acessar pornografia".

Centenas de pessoas se reuniram no Centro Emmanuel, em Westminster e a igreja e o estado foram convidados a desempenharem os seus respectivos papéis nesta causa.

"Nós temos que começar a falar sobre a pornografia", disse a especialista em tratamentos de vícios sexuais, Paula Hall. "Esta iniciativa precisa vir do maior número possível de lugares diferentes".

Ela disse que seria "arrogante" afirmar que o simples fato de não falar sobre a pornografia poderia proteger os jovens de seus efeitos. "Não temos esse tipo de poder", disse ela. "Eles estão recebendo influências de outras partes de qualquer maneira".

A organização cristã 'CARE' tem promovido uma campanha campanha para que os provedores de Internet introduzam restrições de idade em material pornográfico, mas Hall disse que isso não é suficiente.

"Tem que haver ações educativas. Uma das minhas preocupações é que os filtros nos quais o governo está está pensando no momento não serão suficientes. Não são. Qualquer adolescente será capaz de burlar esses filtros", alertou.

"É ridículo pensar que isso é suficiente. Obviamente, isso não significa que nós não vamos deixar de fazê-lo. Devemos tomar essas medidas, mas temos que investir na educação também".

Nola Leach, presidente-executiva da CARE, disse que o governo tem o papel de atuar em apoio às famílias.

"O governo define os parâmetros no seu dever de proteger. Eles podem sinalizar para as coisas que precisam ser feitas".

Ela disse que o governo precisa "colocar seu dinheiro onde sua boca está" e impor restrições de idade em sites pornográficos, mas acrescentou que este é um desafio para as famílias também.

"Você não tem que ir à procura deste material", disse ela ao 'Christian Today'. "Isto pode colorir toda a sua visão dos relacionamentos".

Ian Henderson, diretor do projeto "The Naked Truth" ("A Verdade Nua"), disse que o governo deve analisar se a pornografia é uma questão de saúde pública, porém mais pesquisas são necessárias antes que isso possa ser decidido.

Ele sugeriu que o Estado poderia executar campanhas "suaves" semelhantes, tais como o esforço Consciente dos problemas do alcoolismo bebida.

"Além disso é complicado", disse Ian ao Christian Today, admitindo que havia um limite para o quanto o governo poderia interferir nas escolhas de um indivíduo.

Nicky e Sila Lee, fundadores do Curso de Casamento, falaram através de um link de vídeo na conferência de líderes da igreja que foram convocados a discutir a questão com suas congregações.

Sila falou sobre o poder viciante da pornografia e disse: "muitas pessoas tropeçar nisso", acidentalmente.

"O que começa como uma busca pelo prazer, em seguida, torna-se uma forma de escapar da dor", disse ela. "O portador do vício usa o sexo como uma forma de fuga e não para o propósito para o qual foi criado".

Ela advertiu que "se as igrejas simplesmente disserem: 'pornografia é errado. Não consumam", então as pessoas não vão escutar. Nós temos que começar a falar sobre isso".

 

veja também