'Pinto, perereca e camisinha. O que você disse, filha?'

'Pinto, perereca e camisinha. O que você disse, filha?'

Atualizado: Terça-feira, 11 Março de 2014 as 7:24

sustoUma frase que falo com frequência aos meus filhos é: "Prefiro escutar uma verdade feia do que uma mentira bonita". Falo isso quase que semanalmente. E hoje, pela primeira vez, experimentei a angústia de escutar da boca da minha filha uma verdade bem feia e dolorida. Todas as vezes que as crianças me contam uma verdade, por mais feia que seja, procuro reagir de forma amorosa e receptiva, e eles sempre recebem uma recompensa: um adesivo, um abraço apertado, um beijo... Isso mantém o canal de comunicação aberto entre nós. Deixo bem claro que o papai e a mamãe sempre serão seus melhores amigos e que sempre encontrarão refúgio e segurança em nosso lar. 
 
Sim, foi muito difícil ter que escutar uma "verdade feia" dos lábios da minha filha de sete anos, mas agradeci a Deus por ela ter acreditado nesse refúgio de amor. Estávamos almoçando juntos e como sempre faço, perguntei às crianças: "E aí, como foi na escola hoje? Me contem uma coisa boa e uma coisa não tão boa..." A Raquel mais que depressa respondeu: "Mamãe, hoje a amiguinha "x" me falou uma coisa engraçada. Ela pediu para eu digitar na internet: pinto, perereca e camisinha. Aí ela disse que aparece um vídeo de uma bexiga assim retinha e depois tem que chupar a bexiga".
 
Meu coração subiu até o cérebro, deu uma latejada forte e voltou. Olhei discretamente para meu esposo, esbocei um sorriso forçado e disse com um ar de muita naturalidade: "É meeeeeesmo filha! Nossa, que diferente! E o que mais ela disse?" (o canal de comunicação precisava permanecer aberto, e uma cara feia ou palavra ríspida poderia colocar tudo a perder). Ela continuou: "Minha amiga disse pra eu ficar calada e não contar pra ninguém. Disse que a mamãe dela viu ela vendo esse vídeo, brigou muito e até hoje não deixa mais ela mexer no computador". Pronto, o relato terminou aí. Graças a Deus minha filha ainda é muito inocente. Ela não entendeu o que este vídeo significava realmente. Eu continuei a conversa: "Nossa, filha, é estranho mesmo... chupar uma bexiga não deve ser muito legal." E meu esposo completou: "E se a mamãe dela brigou e ela pediu para você não contar pra ninguém, é porque não deve ser uma coisa muito boa, você não acha?" Ela concordou. 
 
Em seguida parei tudo o que estava fazendo, pedi a ela um abraço muito apertado e meu marido fez a mesma coisa. Dissemos a ela: "Filha, estamos muito orgulhosos de você. Você fez exatamente o que nós te ensinamos. A mamãe e o papai serão sempre seus melhores amigos e sempre que alguém fizer ou falar alguma coisa estranha e pedir para você não nos contar, lembre-se que aqui em casa você sempre poderá falar a verdade. E como agiu corretamente, vamos pensar em uma recompensa muito boa pra você". A conversa se encerrou aí. É claro que vou à escola conversar com professores e coordenadores, e tentar resolver a situação da forma mais amorosa e discreta possível. Mas enquanto isso não acontece, fiquei aqui pensando com meus botões. 
 
Ouço muitas pessoas dizendo que confiam em Deus, que tem fé em Jesus, mas abrem a Bíblia uma vez ao ano (e olhe lá!). E eu me pergunto: como confiar e crer em alguém que você mal conhece? Isso é no mínimo contraditório. A Bíblia, especialmente o Novo Testamento, nos foi entregue para conhecermos e nos aproximarmos desse Deus que tanto falamos e escutamos falar, e Jesus foi a materialização desse Deus. Foi como se Ele nos dissesse: "Se eu fosse humano seria assim. Jesus é o humano perfeito, nossa referência. Nele encontraremos todo o ensinamento necessário para viver a perfeita vontade de Deus aqui neste mundo". E há algo muito importante que aprendi lendo a Bíblia: 
 
"Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas". Filipenses 4:8 
 
A internet, a televisão, a música e a mídia em geral estão em luta acirrada contra a família. Novelinhas direcionadas à crianças e pré-adolescentes que estimulam o namoro, o beijo, a mentira, desobediência aos pais, a sensualidade e vestimentas indiscretas. As novelas que transbordam maldade, adultério, sensualidade, venda do corpo, facção, inimizades, contendas, ira... Músicas com letras de baixíssimo nível, sem conteúdo algum, fazendo com que crianças de 3 ou 4 anos dancem e rebolem de forma sensual, repletas de movimentos que remetem ao ato sexual. Bonecas, brinquedos e jogos que estimulam a violência, o sexo descomprometido, a destruição e exposição do corpo, a sensualidade... 
 
Se você não acredita em Deus e não está nem aí para o que ele pensa, ótimo. Nem se dê ao trabalho de continuar lendo o texto. Agora, se você costuma dizer que tem fé em Deus, gostaria de te exortar em amor. Nós, pais, temos total responsabilidade sobre o que nossos filhos assistem e escutam. Crianças não tem discernimento algum para selecionar programas de televisão, internet, jogos de vídeo game e inclusive desenhos. Se você não se colocar em posição de "filtro", lixo é o que vai entrar na cabeça de seu filho, através dos olhos e ouvidos. E quem se alimenta de lixo, defeca lixo. 
 
Encha sua cabeça de sensualidade e seu corpo transbordará sensualidade. Exponha seu filho à violência visual e em pouco tempo ele não vai se sensibilizar com mortes violentas ou brigas sangrentas. Deixe sua filha dançar e escutar músicas com letras deprimentes, que muito em breve ela estará colocando em prática tudo o que foi absorvido inconscientemente pelo seu cérebro. Vista sua filha como uma periguete, deixando pernas e barriga à mostra, que na adolescência e fase adulta ela vai se portar como tal, pois a mamãe ensinou que é "bonitinho" se vestir dessa maneira. E não precisa ser mestre ou doutora em psicologia infantil para saber disso. Deus nos ensina através de sua Palavra, e ela é muito clara. 
 
Uma criança e um pré-adolescente jamais deveria ter livre acesso a internet. E na fase da adolescência, o computador deveria ficar num local visível e de livre acesso, como na sala de casa, por exemplo. Com a televisão a mesma coisa. Crianças que tem livre acesso a smartphones, tablets, celulares, tv, sem a supervisão de adultos, é como se seus próprios pais os tivessem jogando numa piscina de lixo e dizendo: "Não se sujem hein?" 
 
Aqui em casa, enquanto nossos filhos estiverem sob nossa responsabilidade, seremos o filtro para tudo o que assistem, escutam e brincam. E quando algo nos escapar - o que inevitavelmente vai acontecer - estaremos aqui, com o canal aberto, prontos a direcioná-los a Luz da Palavra. Meus filhos só terão acesso a novelinhas ditas "de criança", novelas de adulto, músicas sem conteúdo ou a jogos de violência, quando tiverem seu caráter completamente formado e prontos para entender que com 12/13 anos criança nenhuma tem maturidade suficiente para namorar, que se você se veste e se porta como uma vadia vai atrair cafajestes (e vice-versa) e que bater, machucar ou retribuir na mesma moeda não é normal e tampouco aceitável. 
 
Antes que tenham acesso a novelas da Globo, Record e SBT, preciso ensiná-los que se relacionar com duas ou três mulheres ao mesmo tempo é adultério e traz consequências desastrosas para a vida; que a mentira deixa o problema para o futuro e a verdade deixa o problema no passado; que ciúmes, discórdia, ira, facção e inveja são frutos da carne e não de alguém que está cheio do Espírito de Deus; que o nosso corpo é morada de Deus e deve ser tratado como tal; que pedófilos estão entrando nos quartos dos filhos enquanto pais assistem seus programas na sala.
 
Meus filhos só terão acesso a internet sem supervisão quando souberem lidar de forma madura com a imagem de uma camisinha sendo colocada em um pênis para ser chupado por uma mulher ou por um homem, pois imagens como esta estão a apenas um clique de distância. Se sua filha digitar "cavalo de brinquedo" ou seu filho clicar num link errado num site de jogos, corre o grande risco presenciar um festival de cenas obscenas. 
 
Desculpem, mas aqui está um desabafo de uma mãe indignada e que enquanto viver, vai remar contra a maré, tendo Cristo como referência, bússola e comandante na tempestade da vida. Podem me chamar de careta, bitolada ou super protetora, eu não ligo. Se digo que creio em um Deus, minhas atitudes precisam condizer com o caráter desse Deus, no mínimo. E se Ele colocou em minhas mãos a responsabilidade de cuidar de duas vidas, vou dar o meu melhor, educando-os segundo a Sua vontade. E Cristo me ensinou, através do apóstolo Paulo, que tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, é o que deve inundar a mente dos meus filhos, e é esse filtro que vou usar na TV, na internet, nos livros, nas músicas e em tudo o mais que tiver ao meu alcance.
 
Sei que muito em breve eles começarão a voar para fora do ninho e quando isso acontecer, quero que estejam preparados. Que sejam homens e mulheres de caráter, fazendo o bem e expressando Cristo no seu falar, no seu olhar e agir. É um investimento que estou fazendo para o bem da humanidade. Sei que é muito pouco, mas se todas as famílias se unissem nesse propósito, não teríamos que nos desgastar tanto neste papel de "filtro".
 
Que o Senhor tenha misericórdia de nós, pais. Que Ele nos fortaleça e oriente, dia após dia. Essa é minha oração.
 
 
- Dani Marques
via salvemeucasamento.blogspot.com.br
 

veja também