Palestinos incentivam crianças a matarem judeus em desenho animado

As imagens mostram um judeu aterrorizado, fugindo de uma família palestina. As cenas são acompanhadas de uma canção em ritmo alegre, que diz: “Você deixou seu país e veio morrer aqui na minha terra".

fonte: Guiame, com informações de Breaking Israel News

Atualizado: Terça-feira, 3 Janeiro de 2017 as 2:26

(Foto: Reprodução/YouTube)
(Foto: Reprodução/YouTube)

Um grupo palestino desenvolveu uma animação que alerta os israelenses a “fugirem” dos ataques terroristas provocados por muçulmanos.

Intitulado como “Gather Your Things” (“Reúna Suas Coisas”), o desenho mostra uma família palestina preparando armas para um ataque, acompanhados por uma música composta pela letra: “Reúna suas coisas, recolha seus filhos e fuja no primeiro avião que você conseguir, ou então, partes do seu corpo serão coletadas”. Em seguida, as imagens mostram um judeu aterrorizado, usando um quipá, esvaziando suas gavetas e fazendo suas malas.

A letra "você deixou seu país e veio morrer aqui na minha terra" é repetida várias vezes, enquanto o palestino armado se junta à sua esposa e seu filho que, juntos, cercam o judeu. A vítima é rodeada por machados e facas, mas depois é atropelada por um carro — enquanto a canção descreve alegremente o ataque.  

As cenas seguintes mostram o judeu tentando escapar de diversas formas dos ataques palestinos, mas sem sucesso. O vídeo atinge seu clímax quando exibe o judeu observando a bandeira da Palestina voando sobre a Cúpula da Rocha, no Monte do Templo, em Jerusalém.

A música e as animações foram produzidas pela banda Wa'ed, sediada em Gaza. O clipe foi traduzido para o inglês através do Instituto de Pesquisa em Mídia do Oriente Médio (MEMRI, na sigla em inglês).

Em outubro, a mesma banda lançou uma canção elogiando os bombardeios que costumam atingir ônibus israelenses. Estes tipos de vídeos são populares entre os palestinos e produzem o efeito de incitar ódio nos telespectadores.

De acordo com a revista The Tower, 60% dos palestinos aprovam "ataques armados contra civis israelenses dentro de Israel".

veja também