Preso e torturado na China, advogado cristão diz que sua fé o manteve firme

Gao Zhisheng, de 52 anos, lançou o livro "A Esperança da China: O que Eu Aprendi ao Longo de Cinco Anos como Prisioneiro Político", no qual compartilha relatos sobre os dias que passou preso e sofreu com diversas sessões de tortura.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 15 Junho de 2016 as 5:06

Gao Zhisheng é advogado, cristão e tem combatido a perseguição religiosa, promovida pelo Partido Comunista, na China. (Foto: Indian Express)
Gao Zhisheng é advogado, cristão e tem combatido a perseguição religiosa, promovida pelo Partido Comunista, na China. (Foto: Indian Express)

Um advogado chinês de direitos humanos, que foi liberto da prisão em 2014, narrou a tortura que sofreu nas mãos das autoridades governamentais do Partido Comunista, em um novo livro de memórias, no qual ele revela como sua fé cristã lhe deu forças para sobreviver a momentos tão difíceis.

A Associated Press divulgou uma entrevista com Gao Zhisheng, de 52 anos, sobre sua autobiografia em língua chinesa, "A Esperança da China: O que Eu Aprendi ao Longo de Cinco Anos como Prisioneiro Político". Segundo o advogado, não foi nada fácil escrever tais relatos, devido à vigilância contínua do Partido Comunista e seus funcionários.

Zhisheng revelou que ele passou três anos em confinamento solitário por se opor a vários abusos que o governo tem cometido contra os direitos humanos, mas disse que "sua fé cristã e sua esperança inabalável pela restauração da China o sustentaram durante esse período de isolamento".

A repressão das minorias religiosas, incluindo os cristãos, da China tem sido bem documentada ao longo dos últimos dois anos, enquanto diversos advogados que tentaram defender igrejas e pastores foram presos sob a acusação de subversão ao Estado. O Partido Comunista tem levado à prisão, indivíduos que são vistos como "uma ameaça ao seu poder" e também está tentando conter o crescimento do cristianismo no país.

Zhisheng disse que a tortura que sofreu quando estava na prisão foi tão grave, que quando ele foi finalmente liberto em agosto de 2014, mal conseguia andar ou falar. O advogado de direitos humanos está vivendo em uma pequena aldeia da província de Shaanxi, embora o governo dos EUA e da China lhe tenham permitido viver na América, onde sua esposa reside.

Zhisheng disse na entrevista para agência 'AP', que, embora ele sinta muita falta de sua família, incluindo sua filha adulta, ele ficará hospedado na China, por enquanto, na esperança de desempenhar um papel importante na mudança do país.

"Uma vez que se tenha escolhido entrar em combate, então não há mais como desistir. Pensar em desistir é como assumir a derrota", disse ele.

"Minha única preocupação é que eu tenha afetado a vida de minha esposa e meus filhos", acrescentou. "Eu sou eternamente grato a eles, porque eu os amo mais do que minha própria vida, mas eu não posso atender às suas necessidades agora".


Crescimento
Em uma entrevista publicada em maio, um membro de uma igreja perseguida na província central de Guizhou de China revelou que, apesar dos esforços do governo, o cristianismo está crescendo cada mais na China.

"De acordo com a Bíblia, a Igreja cresce ainda mais rápido sob perseguição [Por exemplo], você pode ver que na Europa e nos Estados Unidos - Talvez não no Texas, no entanto, mas na Alemanha - a Igreja está encolhendo. Estes são países livres e o governo e as pessoas respeitam as religiões, mas ainda assim [a igreja encolhe]", disse o membro da igreja anônima de Huoshi Igreja disse, à missão internacional China Aid.

"Na China, mesmo que haja tanta perseguição, a igreja ainda cresce. Pessoalmente, na minha perspectiva como um cristão, eu não acho que toda essa perseguição é tem somente um propósito ruim [uma vez que ajuda a Igreja a crescer]".

 

veja também