Após ser baleada, missionária retorna ao Congo para defender homem preso por engano

Maud Kells, de 75 anos, foi baleada durante a noite na casa em que vivia na vila de Mulita, em janeiro deste ano. Três homens suspeitos foram presos, mas Kells afirma que eles são inocentes e planeja voltar à África para defendê-los.

fonte: Guiame, com informações de Christian Today

Atualizado: Sexta-feira, 18 Setembro de 2015 as 3:22

Maud Kells, de 75 anos, foi baleada durante a noite na casa em que vivia na vila de Mulita, no Congo, em janeiro deste ano.
Maud Kells, de 75 anos, foi baleada durante a noite na casa em que vivia na vila de Mulita, no Congo, em janeiro deste ano.

 

Nove meses após ser baleada por dois homens armados na República do Congo, uma missionária do Reino Unido irá voltar ao país para defender os supostos criminosos.

Maud Kells, de 75 anos, foi baleada durante a noite na casa em que vivia na vila de Mulita, em janeiro deste ano. Três homens suspeitos foram presos, mas Kells afirma que eles são inocentes e planeja voltar à África para defendê-los.

"Há muito suborno e corrupção lá fora", explica a missionária. "Eu tive que pagar muito dinheiro para tentar libertar esses homens. Eu tentei descobrir por que meu guarda noturno estava na prisão, e me disseram que era porque ele não tentou parar os bandidos durante o ataque. Mas não houve nenhuma maneira de ele poder ter evitado isso."

Kells conta que conhece os homens que foram presos por engano. "Eu os conheço e eu sei que eles não fariam qualquer coisa assim. Eles sempre foram muito favoráveis ​​em me proteger enquanto estive lá", afirma.

Após o incidente contra a missionária, o secretário de um hospital foi preso e posteriormente libertado com a ajuda Kells. Outro homem, um carpinteiro e diácono da igreja, temia ser preso e fugiu para a floresta, onde ainda está escondido.

Ela está disposta a ajudar ao guarda noturno que permanece na prisão devido ao suposto envolvimento no tiroteio. "Ele ficou muito doente e quase morreu duas semanas atrás, mas eu enviei dinheiro e o ajudei a comprar remédios", disseKells.

A missionária está confiante de que Deus irá protegê-la em seu retorno ao Congo. "Se é a vontade Dele, então Ele vai me dar promessas de proteção", disse ela. "Eu vou colocar a minha fé e confiança em Deus, assim como eu sempre fiz ao longo dos anos."

veja também