Autoridades fecham igreja na Turquia e pedem deportação de pastor

As instalações da Igreja Vida Nova foram fechadas pelos policiais no dia 28 de agosto e o pastor foi detido duas semanas depois, em 14 de setembro

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quarta-feira, 8 Outubro de 2014 as 10:40

pastor_missões 1Sob a acusação de 'trabalho de forma ilegal', autoridades turcas pediram a deportação do pastor americano Patrick Jensen, o multaram, e selaram a igreja protestante no sudeste do país.

No dia 26 de setembro os advogados entraram com recurso judicial para adiar a deportação, uma medida contra o que a Associação de Igrejas Protestantes da Turquia chamou de decisão "absolutamente arbitrária" contra a congregação Gaziantep e seu pastor estrangeiro.

As instalações da Igreja Vida Nova foram fechadas pelos policiais no dia 28 de agosto e o pastor foi detido duas semanas depois, em 14 de setembro.

O pastor é um cidadão americano que vive em Gaziantep desde 2005. Ele foi condenado a pagar 3043 liras turcas (o equivalente a aproximadamente 3.252,42 reais) por violar a Lei nº. 5326 das leis trabalhistas turcas, que exigem uma autorização de trabalho para situação de emprego legal. Ele se recusou a pagar a multa, dizendo ser um voluntário servindo a igreja.

Após investigações do advogado de Jensen um dia depois de sua prisão, o pastor assinou um documento solicitando a reavaliação de sua ordem de deportação pelo Tribunal Administrativo de Gaziantep.

Jensen permaneceu detido por 30 horas e até que pôde voltar para casa, pelo menos enquanto seu caso ainda está pendente. Sua autorização de residência turca, válida até novembro de 2015, foi cancelada e substituída por uma licença temporária de 30 dias, emitida até o tribunal decidir sobre o seu recurso, que será conduzido por documentos jurídicos, não alegações.

A congregação protestante foi iniciada por Jensen há nove anos. "A atitude das autoridades em relação a nós mudou nos últimos seis meses", disse o pastor à agência de notícias World Watch Monitor. Sem outras opções de local de culto, o grupo da igreja reuniu-se informalmente em um parque durante vários domingos, e, em seguida, em casas particulares.


com informações da Portas Abertas

 

 

veja também