Cinco cristãos são presos por autoridades na Eritreia

"Sob constante rotatividade de pastores em função dos aprisionamentos ou das contínuas ameaças, o cuidado pastoral bíblico para os cristãos está comprometido", pondera colaborador da Portas Abertas

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quinta-feira, 5 Junho de 2014 as 1:30

BíbliaPetros Yosief, Bemnet Tesfay, Aklilu Tesfay, Ermias Hadgu e Aron Mehretu, da Igreja Evangélica Luterana em Asmara, foram presos por oficiais de segurança.

A igreja é devidamente reconhecida pelo governo, mas mesmo assim os cristãos da Eritreia foram presos. Todos eles são candidatos ao ministério pastoral.

As idades e o dia exato da prisão ainda não são conhecidos. Eles estão presos na estação policial número 2 em Asmara. "A prisão mostra claramente como mesmo as igrejas reconhecidas pelo governo não estão livres do controle oficial", comentou a fonte da Portas Abertas, que permanece anônima por motivos de segurança.

Em 2012 o governo da Eritreia ordenou que todos os grupos religiosos fora da Igreja Ortodoxa da Eritreia (IOE, sigla em inglês), a Igreja Católica Romana , a Igreja Evangélica Luterana e o islã efetuem o seu registro no Departamento de Relações Religiosas.

Anos depois, em 2002, o Estado fechou diversas igrejas que não tinham o requerimento.

O fechamento de igrejas introduziu uma forte perseguição para as igrejas não-registradas. Cristãos que continuam suas atividades religiosas nesses grupos, enfrentam aprisionamento, encarceramento sob condições severas e tortura.

"O aprisionamento desses candidatos a pastores nos faz pensar em um dos maiores desafios que a Igreja enfrenta na Eritreia. Sob constante rotatividade de pastores em função dos aprisionamentos ou das contínuas ameaças, o cuidado pastoral bíblico para os cristãos está comprometido. Nós gostaríamos de pedir as orações dos cristãos ao redor do mundo para que, em meio a essas circunstâncias, Deus faça um caminho para que seus filhos sejam pastoreados. Ore também para que a graça de Deus sustente os líderes cristãos, que continuam sofrendo provações com a brutal rede de aprisionamento na Eritreia", comentou um colaborador da Portas Abertas.


com informações da Portas Abertas

 

 

veja também