Testemunho: "Como eu fugi da Coreia do Norte e tive minha vida transformada pelo Evangelho"

Em um emocionante testemunho, o escritor norte-coreano Joseph Kim relata sua luta pela sobrevivência em um país no qual passou fome e teve sua família destruída. Seu encontro com Cristo é parte fundamental de sua história.

fonte: Guiame, com informações do Christianity Today

Atualizado: Sábado, 30 Maio de 2015 as 4:14

Joseph Kim é o autor do livro "Sob o Mesmo Céu: Da fome na Coreia do Norte à Salvação da América" (Houghton Mifflin Harcourt).
Joseph Kim é o autor do livro "Sob o Mesmo Céu: Da fome na Coreia do Norte à Salvação da América" (Houghton Mifflin Harcourt).

De certa forma, eu imagino que crescer na Coreia do Norte é como crescer em qualquer outro lugar. Eu tinha um pai e uma mãe, que não deixavam de me mostrar o amor deles por mim e por minha irmã mais velha. Eu pegava libélulas com os meus amigos e esperava com entusiasmo pelos desenhos animados que passavam na TV.

Então, em 1995, o pior da 'Grande Fome' desceu sobre a terra, e os privilégios da minha infância foram retirados.

Quando eu tinha 12 anos, meu pai morreu de fome. Nossa casa foi tomada para pagar uma dívida que ele tinha com um 'amigo' da família. Nesse mesmo ano, minha mãe fugiu para a China com a minha irmã, em busca de comida e dinheiro. Ela voltou alguns meses mais tarde, sozinha. Ela tinha vendido minha irmã como 'noiva' para algum homem - um destino comum para as jovens refugiadas norte-coreanas. Minha mãe acreditava que seria uma vida melhor para a minha irmã, se comparada à que ela teria em casa.

Eu nem mesmo sabia que ela tinha conhecimento acerca do que o tráfico sexual realmente é. A maioria dos traficantes destacam os benefícios de uma jovem ser casada com um homem chinês. Ela não foi a única norte-coreana que teve de tomar esse tipos de decisão tão difícil. Ela [minha mãe] continuou a viajar secretamente para a China, até que foi capturada e presa pelo governo norte-coreano.

Como eu não tinha uma família junto a mim, passei a morar nas ruas e a possibilidade de ser amado começou a desvanecer-se. Antes que eu tivesse a chance de decidir quem eu era em meus próprios termos, a minha identidade foi definida por outros: 'desabrigado', 'órfão', 'mendigo'. Quando me aproximava das pessoas nas praças de alimentação, nos mercados da cidade, elas me batiam ou me afastavam como se eu fosse uma mosca. Ninguém dizia: "Eu vejo o quão cansado e sem esperança você deve estar".

Aos 15 anos de idade, eu me vi diante de uma escolha: Eu poderia morrer de fome como meu pai, ou fugir do país tentar garantir uma vida melhor fora de suas fronteiras fortificadas. Entre a certeza da morte e as chances de sobrevivência, eu escolhi a sobrevivência.

Eu tinha ouvido falar que a maioria dos norte-coreanos tentaram atravessar a fronteira com a China durante a noite e, sendo assim, eu planejei minha fuga para o meio-dia de fevereiro de 2006. Eu desci as margens do rio Tumen, revestindo meus sapatos com sedimentos de areia para a tração, e corri em toda a superfície gelada do rio para a outra margem. Foi um milagre, eu ter conseguido fazer isso.

Eu fugi cheio de esperanças. Eu tinha certeza de que eu não teria nenhuma dificuldade em encontrar alimentos. Imaginei famílias chinesas entregando-me as suas sobras, como uma tigela de arroz, que não era nada para eles.

O ditador comunista Kin Jong Un mantém a intensa perseguição religiosa que já era intensa no governo de seu pai, Kin Jong Il. (Foto: Reuters) 



Chegando à China

Mas uma vez na China, a realidade bateu. Quase ninguém queria compartilhar nada comigo. Eles ficavam irritados quando eu simplesmente pedia que me dessem o que sobrou. Eu estava tão confuso. Não era assim que eu esperava que as pessoas reagissem.

Por algumas semanas, eu mal consegui o suficiente para sobreviver. Em seguida, uma senhora coreana/chinesa idosa se aproximou de mim.

"Eu sinto muito, não há nada que eu possa oferecer", disse ela. "Mas você deve ir a uma igreja", disse ela, olhando para um edifício que tinha uma cruz.

Eu já tinha visto uma cruz vermelha sobre os portões de um hospital na Coreia do Norte, mas não tinha idéia de que uma cruz tinha a ver com a Igreja. Eu segui as instruções daquela mulher. Eu vi alguns edifícios, mas nenhum tinha uma cruz vermelha.

Eu parei e perguntei a um homem que estava perto: "Onde posso encontrar uma cruz?". Ele me respondeu: "Olhe para cima". E lá estava ela.

Esta foi a minha primeira vez dentro de uma igreja. Era tarde da noite, e alguns homens permaneciam naquele prédio modesto.

"Eu sou da Coreia do Norte. Eu não conheço ninguém aqui e preciso de ajuda", disse àqueles homens ao me apresentar. Um deles me deu 20 yuan (cerca de três dólares) e me disse que era tudo o que poderia me dar naquele momento.

Daquela cidade na parte norte da China, eu fui para Yanji, em seguida, para Tumen. Fiquei vagando até que encontrei uma outra igreja. Na parede estavam escritas estas palavras: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei".

Era como se alguém estivesse falando diretamente para mim. Eu pensei ter ouvido uma voz dizendo: 'Eu entendo como você está exausto e desesperado. Dê-me as mãos e eu vou cuidar de você'.

Uma mulher bem vestida me cumprimentou com um sorriso - apesar do fato de que eu não havia tomado banho durante semanas.

"Como posso ajudá-lo?", Ela perguntou. Eu senti que eu precisava para adicionar urgência à minha fala e então, ao invés de dar-lhe o meu discurso habitual, eu menti. Eu disse a ela que eu estava a caminho para atender a minha irmã em outra cidade e precisava de meios para chegar lá. A mulher me pediu para esperar no saguão. Ela voltou com 50 yuan (oito dólares) e me desejou sorte. Aquela foi a maior quantia em dinheiro que já tive em minhas mãos, até então.

Poucos dias depois, voltei para a igreja, imaginando que iria receber mais 50 yuan. Desta vez, os membros da igreja se ofereceu para me deixar ficar temporariamente. Isto foi melhor do que eu esperava. Eu estava dormindo em uma casa abandonada sem janelas durante o inverno. Mas agora poderia em um quarto de verdade com um cobertor. Foi emocionante. Eu concordei em ficar.

Uma semana depois, eu corri para a mulher que me tinha dado 50 yuan. Descobri que ela era a mulher do pastor. Eu estava com medo de que ela me criticasse por mentir e me expulsasse dali, mas ela me deixou ficar. Uma tarde, eu ouvi os membros da congregação discutindo que o pastor tinha dentes ruins, mas não podia pagar o tratamento dentário. Eu pensei que a senhora tinha me dado aquele dinheiro, porque ela tinha de sobra. Naquele momento, eu percebi o quanto aqueles 50 yuan valiam para sua família.

Seu generoso ato provocou a minha curiosidade sobre Deus. Ela parecia inicialmente tão semelhante a todos aqueles que se recusaram a me dar restos de arroz, mas ela era diferente. Comecei a ler a Bíblia para saber mais sobre o que ela acreditava. Apesar do meu desejo sincero de aprender, eu não conseguia entender. O vocabulário, o conceito de céu e inferno... nenhum deles fez sentido para mim. Ainda assim, eu continuei perguntando sobre sua fé.

Na China, hospedar um refugiado norte-coreano é ilegal e essa igreja já havia me protegido por mais de duas semanas. Eu não poderia ficar para sempre. Um dos membros localizou uma senhora chinesa/coreana que vivia em outra cidade e estava disposta a me receber em sua casa. Ela era uma cristã devota, a qual vou nomea-la aqui como "a vovó". Eu não sabia como orar, mas ela me encorajou a ler a Bíblia e me ensinou a cantar hinos. Ela me deu um novo nome: Joseph.

Minha primeira oração a Deus foi feita na China e à noite, a vovó me apresentou a um hino:

"Pai, eu ergo minhas mãos para ti,

Nenhum outro tipo de ajuda eu conheço;

Se o Senhor retirar-se de mim,

Oh! Para onde eu vou?"

Naquela noite eu orei: 'Deus, eu não sei quem você é ou se você existe como a Bíblia e os cristãos pregam. Mas eu preciso de Sua ajuda.

Apesar da intensa perseguição religiosa, também na China, o cristianismo tem se fortalecido cada vez mais no país e poderá se tornar a religião da maioria dos chineses. (Foto: China Aid)

 

Poucos meses depois que me mudei para a casa da vovó, eu conheci um missionário sul-coreano que mantinha um abrigo subterrâneo para os norte-coreanos. Mais tarde, nesse mesmo ano, um ativista me ajudou a mudar para os Estados Unidos.

Cheguei em 2007 como refugiado e comecei a frequentar o ensino médio em Richmond (Virginia/EUA). Diferentes obstáculos me ofuscaram lá. Eu não conseguia entender uma única palavra das minhas aulas ou dos colegas de escola e eu mal conseguia manter-me com o fluxo de diferenças culturas ali. Mas porque eu ainda era relativamente jovem, eu fui capaz de aprender a língua inglesa. Eu me formei em quatro anos, e agora estou cursando a faculdade na cidade de Nova York. Eu participo de uma igreja em Manhattan e estou aprendendo mais sobre Deus e Seu mundo.

O hino que a vovó me ensinou colocava em palavras o que o meu coração precisava dizer. Eu estava sozinho no mundo. A qualquer momento, as autoridades poderiam ter me prendido e me mandado de volta para a Coréia do Norte, para eu voltar passar fome. Eu senti que não havia ninguém para cuidar de mim, ninguém que pudesse ajudar. O que aconteceria se Deus se retirasse de mim também?

Mas o que era a ajuda de Deus, senão as igrejas que me ajudaram, como aquela esposa do, que me deu os 50 yuan ou aquela senhora cristã que me deu o meu novo nome e me abrigou em sua casa?

Fugindo para a China, eu tinha perdido a esperança na bondade humana. Encontrar cristãos lá foi como se eu reencontrasse a esperança. Cuidar de estranhos, agindo com compaixão, sem esperar nada em troca: 'Essa é a beleza da humanidade. Essa é a beleza do evangelho'.

*Joseph Kim é o autor do livro "Sob o Mesmo Céu: Da fome na Coreia do Norte à Salvação da América" (Houghton Mifflin Harcourt).

 

veja também