Completando três anos em prisão no Irã, pastor Saeed Abedini terá apoio de parlamentares internacionais

Esta semana completam-se três anos de Abedini na prisão, bem como a sessão 70 da Assembleia Geral da ONU em Nova York, que o presidente do Irã, Hassan Rohani vai participar.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 23 Setembro de 2015 as 11:16

 

Esposa do pastor Saeed, Naghmeh Abedini fala sobre liberdade religiosa, durante evento nos EUA.

A esposa do pastor norte-americano Saeed Abedini - preso no Irã há três anos - reuniu-se com mais de 100 parlamentares de quase 50 países para pedir que assinem uma carta, clamando pela libertação de seu marido. Esta semana completam-se três anos de Abedini na prisão, bem como a sessão 70 da Assembleia Geral da ONU em Nova York, que o presidente do Irã, Hassan Rohani vai participar.

"Estamos alarmados com os relatórios contínuos de violações desta liberdade fundamental para as minorias religiosas, incluindo os cristãos e os bahá'ís. Nós respeitosamente pedimos-lhes para garantir que todos os indivíduos no Irã - sejam eles muçulmanos, cristãos, Bahá'í, ateus, judeus ou de qualquer outra fé - possam desfrutar plenamente da liberdade de religião ou crença, sem medo de violência ou discriminação", afirma a carta, que foi assinada por 67 parlamentares de vários países, logo após o discurso da esposa do pastor Saeed, Naghmeh Abedini.

"Estamos particularmente preocupados com o pastor Saeed Abedini, que foi preso por quase três anos. Entendemos que ele tenha sido mantido em condições intoleráveis ​​simplesmente por exercer pacificamente a sua fé em casas particulares. Solicitamos especificamente a libertação do Sr. Abedini, bem como outros cristãos", continua o texto.

Naghmeh Abedini, que deu seu depoimento perante uma comissão do Congresso no início deste ano (2015), disse ao 'Christian Post', que apesar de seu ter uma pena de oito anos estabelecida, ele foi ameaçado por autoridades iranianas, que disseram que ele só será liberto se negasse o nome de Jesus Cristo - algo que ela insiste que seu marido não vai fazer.

"Às vezes eles o levam para a solitária [confinamento] e outras vezes o ameaçaram, dizendo: 'Você vai ficar aqui muito mais que os oito anos e sua única chave para a liberdade é se você negar sua fé cristã e retornar ao Islã'. Isto tem acontecido frequentemente", relatou.

O pastor foi preso em 2012, depois que o Irã declarou-o culpado de pôr em perigo a segurança nacional. O Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ) - que representa Naghmeh Abedini e os dois filhos do casal nos EUA - disse que o pastor simplesmente por causa de sua fé cristã.

O ACLJ elogiou os representantes dos países que assinaram a carta apoiando Abedini e as minorias religiosas, perseguidas no Irã. A organização também observou que continua transporte mais de 265.000 cartas ao Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, pedindo-lhe para se encontrar com os líderes do Irã nesta semana e falar a favor da liberdade do pastor.

A Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) também fez menção aos três anos de prisão, que Abedini completa esta semana, argumentando que o pastor está sendo punido injustamente.

"O fato do governo iraniano manter a prisão do Pastor Abedini é uma violação grosseira do internacionalmente protegido direito à liberdade de religião ou crença. O governo iraniano reprime ativamente qualquer crença religiosa e a atividade que desaprova e nega qualquer aparência de Estado de direito que atenda a padrões internacionais", disse o Presidente da USCIRF, Robert P. George.

"A USCIRF insta o governo iraniano a garantir a segurança do Pastor Abedini e imediatamente / incondicionalmente libertá-lo", continuou George. O representante da Comissão também pediu ao governo dos EUA para impor sanções a autoridades iranianas responsáveis ​​pela violação dos direitos de liberdade religiosa.

Naghmeh Abedini continua entretanto, com seus 21 dias de jejum e oração pelo seu marido. O período acaba neste dia 26 de setembro, a data precisa que o pastor foi preso há três anos.

Na terça-feira à noite, ela refletiu sobre Jeremias 33:3, em que se lê: "Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes".

"Aqui nestes versos nos são dadas tais promessas incríveis! Tudo o que temos a fazer é clamar ao Senhor e Ele vai responder. Ele revelará as coisas sobre as quais não sabemos", escreveu Naghmeh Abedini em seu perfil do Facebook.

"Deus nos chama de Seus amigos e da mesma forma que nós o chamamos. Então Ele vai compartilhar as coisas com a gente e revelar coisas para nós que só são compartilhadas entre amigos próximos. Vemos esse exemplo muitas vezes na Bíblia, como Deus revelando a Noé e Abraão o que Ele estava prestes a fazer!".

Uma petição online também está disponível para ser assinada por internautas de todo o mundo. Para acessar e assinar este documento, clique aqui .

veja também