Conhecido por tentar legalizar sua conversão ao cristianismo, egípcio aguarda audiência

Advogado de Mohammed Hegazy acredita que seu cliente tem sofrido tentativas vingativas por sua conversão

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Segunda-feira, 15 Dezembro de 2014 as 9:46

Mohammed_EgitoNo final de 2013, Mohammed Hegazy foi preso no Egito, após ser declarado culpado de 'filmar ilegalmente as manifestações anticristãs', em Minya.

Apesar de otimista, por acreditar que o juiz derrubará a sentença de Hagazy, o advogado Karam Ghobrial diz que a verdadeira razão da prisão de seu cliente é ele ser conhecido publicamente por tentar legalizar sua conversão ao cristianismo.

Perante o juiz, em novembro, o advogado declarou falta de provas contra o cristão. "Minha defesa foi baseada na ausência de um "flagrante delito" [um prazo legal para ser apanhado no ato de cometer um crime]", disse Ghobrial.

Identificado pelo policial que o prendeu como "uma pessoa convertida" [do islamismo ao cristianismo], Hegazy também foi acusado de "espalhar notícias falsas e boatos.”

“Ele não estava filmando ou tirando fotos ou fazendo nada de errado, no momento em que o policial chegou e prendeu-o", disse Ghobrial. "Por lei, tirar fotos não é um crime em si mesmo", disse o advogado.

Após apresentar os argumentos de defesa diante do tribunal, a audiência final para veredicto foi agendada para 28 de dezembro.Vários dias após a audiência do dia 23 de novembro, Ghobrial disse que Hegazy ainda não tinha sido transferido de Minya de volta à prisão de Tora. Em vez disso, no dia primeiro de dezembro, ele foi "recolhido arbitrariamente" em uma cela solitária reservada para prisioneiros sentenciados à pena de morte.

"Meu cliente foi enclausurado dentro da câmara de execução, em violação da lei, porque ele está sob custódia e ainda sob investigação", disse Ghobrial à Christian News em2 de dezembro. De acordo com o advogado, foi uma tentativa ‘maliciosa' e ‘vingativa’ contra seu cliente pelo fato de ter abandonado a fé islâmica.


com informações da Portas Abertas

 

 

veja também