Cristã é acusada de roubo, tem filho jogado morto em frente sua casa e afirma: “não vou desistir do meu Senhor”

O filho de Aysha Bibi, uma cristã paquistanesa acusada de roubar a casa onde trabalhava como faxineira, foi morto por agentes da polícia para que ela confessasse um crime que não cometeu.

fonte: Guiame, com informações de The Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 26 Março de 2015 as 10:30

Cristãos perseguidos no Oriente Médio. (AFP PHOTO/Arif ALI)
Cristãos perseguidos no Oriente Médio. (AFP PHOTO/Arif ALI)

 

O filho de Aysha Bibi, uma cristã paquistanesa acusada de roubar a casa onde trabalhava como faxineira, foi morto por agentes da polícia no início do mês. A Associação Cristã britânico-paquistanesa informou ainda que o corpo do rapaz de 20 anos, Zubair Rashid Masih, foi despejado em frente à casa de sua mãe pela manhã, na área de Shamsabad, província de Punjab.

Bibi havia sido presa no dia 4 de março, sob a acusação de roubar cerca de 35 mil rúpias (equivalente a R$ 1.099) em ornamentos de ouro da casa onde trabalhava como empregada doméstica.

O chefe de Bibi, Abdul Jabbar Khan, afirma que o roubo aconteceu no dia 24 de fevereiro, enquanto ele estava em um casamento. No entanto, Bibi afirma que seu último dia de trabalho na casa de Jabbar foi em 20 de fevereiro. Ela pensou que estava sendo chamada de volta ao trabalho em 3 de março mas, quando chegou na casa, ficou surpresa quando foi acusada pelo crime.

Bibi foi presa e severamente espancada por policiais e seu chefe, que utilizaram pedaços de madeira para agredi-la e forçá-la a confessar o crime. Como resultado do espancamento, Bibi teve o braço esquerdo quebrado, mas se recusou a confessar um crime que ela diz não ter cometido. Frustrados com a recusa de Bibi, a polícia decidiu ir à casa de sua irmã, onde moravam dois de seus filhos, e prendeu Zubair, seu filho mais velho.

BPCA relata que Masih foi torturado pela polícia como sua mãe foi obrigada a assistir seu filho sofrer uma surra excrutiating. A polícia disse a ela que iria parar de machucar o filho dela se ela seria apenas admitir que ela cometeu o crime, mas ela novamente se recusou a fazê-lo. Bibi foi lançado mais tarde nesse dia, enquanto seu filho permaneciam detidos.

"Quando eles chegaram, meu filho mais velho foi detido. Eles estavam batendo nele, e ele gritava de dor. Eu pensei que deveria confessar as acusações do roubo para salvar meu filho", disse Bibi. "No entanto, em um momento, pararam de bater no meu filho e me disseram para sair da prisão e voltar para casa. Mais tarde, eles torturaram meu filho até a morte."

Bibi disse que encontrou o corpo de seu filho na rua em frente à sua casa, por volta das 7 horas da manhã, no dia 8 de março. "Eu quero justiça, mas eu sei que o tribunal vai ignorar o nosso caso. O nosso sistema judicial é corrupto, apesar das tentativas de impedi-lo. Nós forçamos a polícia para apresentar um [caso] contra os policiais envolvidos na morte do meu filho", explicou Bibi. "A acusação já foi registrada após um protesto, mas nenhum dos assassinos da polícia foram presos. A polícia está se protegendo, colocando o crachá antes de suas funções."

"Eu ainda estou enfrentando ameaças de muçulmanos locais que pensam que eu sou um ladra cristã", continuou Bibi. "Eu não sei como o meu filho sobrevivente e eu poderemos sobreviver depois deste incidente, nesta cidade que odeia os cristãos.”

"Não vou desistir"

"Muitos cristãos, como eu, estão passando pelo mesmo tipo de problema. Muitas mulheres cristãs trabalham como empregadas para sustentar a família. Nossos filhos são obrigados a fazer trabalhos forçados por muçulmanos ingratos," Bibi conta. "Enfrentamos o mesmo tipo de acusações e maldições diariamente. O meu conselho para as mães é orar diariamente por suas famílias. Deus fará sua vingança, mas por enquanto simplesmente temos que proteger os nossos entes queridos o melhor que pudermos."

"Eu tenho muita fé no meu Senhor Jesus Cristo", acrescentou Bibi. "Cristo é meu Salvador e Ele sofreu a morte por meus pecados. Eu sou questionada a me converter ao Islã todos os dias. Eu perdi meu filho, mas eu não vou desistir do meu Senhor. Em vez disso, vou servi-Lo e um dia eu vou encontrar novamente com meu filho precioso." 

Os cristãos locais fizeram um protesto no dia 8 de março, e acusações foram apresentadas contra os oficiais depois.

 

 

veja também