Cristã perseguida é impedida de receber refúgio na Austrália por não acertar no questionário da Bíblia

Após o questionário, o tribunal decidiu que a mulher cometeu inúmeros erros e que "sua falta de conhecimento sobre o cristianismo demonstra que ela não é uma verdadeira cristã praticante".

fonte: Guiame, com informações de The Telegraph

Atualizado: Quarta-feira, 17 Junho de 2015 as 10:01

O interrogatório foi criticado pelo Tribunal Federal da Austrália, que constatou que o questionário parecia ter sido projetado para "tropeçar" a mulher.
O interrogatório foi criticado pelo Tribunal Federal da Austrália, que constatou que o questionário parecia ter sido projetado para "tropeçar" a mulher.

 

Uma mulher cristã que procurava abrigo na Austrália por causa da perseguição religiosa na China foi obrigada a responder uma série de perguntas bíblicas "extraordinariamente difíceis" por um tribunal australiano. O objetivo era certificar se ela realmente era cristã através de seus conhecimentos bíblicos.

O interrogatório foi criticado pelo Tribunal Federal da Austrália, que constatou que o questionário parecia ter sido projetado para "tropeçar" a mulher. O Tribunal de Revisão de Refugiados irá reavaliar a decisão do tribunal de rejeitar a alegação da mulher.

"Qualquer observador poderia considerar que o propósito do tribunal em fazer as perguntas não foi determinar se a candidata realmente tinha uma crença cristã, mas em vez disso, foi expor sua ignorância", o tribunal decidiu.

A mulher solicitava um visto de refugiado, alegando que membros de sua família foram espancados, torturados e presos na China por pertencer a um grupo da igreja católica subterrânea.

Cerca de 30 milhões de pessoas frequentam igrejas aprovadas pelo governo na China, mas dezenas de milhões pertencem a grupos não registrados pelas autoridades, estando sujeitos a restrições e perseguição.

A mulher, que não foi identificada, disse que as autoridades chinesas acusaram membros de sua família de espalhar "crenças religiosas ilegais", e que seu irmão foi morto em 2011 depois de fugir de policiais que invadiram uma reunião secreta da igreja.

Questionário

Dentre as perguntas desenvolvidas pelo tribunal, estavam: “Quais foram as últimas instruções de Jesus aos Seus discípulos, antes de ser levado ao céu?”, “Qual foi o sinal visível que o Espírito Santo fez aos discípulos no dia do Pentecostes?", "Qual o nome do jardim em que Jesus foi preso?”, “Qual o nome do segundo livro do Antigo Testamento?".

Outras questões incluem: "O que os israelenses deveriam colocar nas portas de suas casas para se salvarem da última praga no Egito?", "Como Arão estava relacionado com Moisés?” e “Em que livro está escrito ‘como Jesus disse que devemos perdoar alguém’?".

Após o questionário, o tribunal decidiu que a mulher cometeu inúmeros erros e que "sua falta de conhecimento sobre o cristianismo demonstra que ela não é uma verdadeira cristã praticante".

Foi constatado que suas respostas corretas foram "ensaiadas e memorizadas" para tentar alcançar o estatuto de refugiado. Mas a decisão foi fortemente criticada pelo tribunal federal, que julgou o questionário tendencioso.

veja também