Cristão egípcio sofre abusos na prisão e a MAIS intensifica a campanha #FreeBoulous

Junto com os parceiros, a MAIS está orando por Boulous e pelo fim dos maltratos que ele está sofrendo diariamente na prisão

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Segunda-feira, 29 Dezembro de 2015 as 11:47

free BoulousBishoy Armeya Boulous, anteriormente conhecido como Mohammed Hegazy, é um egípcio convertido ao cristianismo que está preso em Tora, no Cairo.

O advogado de Boulous informou recentemente à MAIS (Missão em Apoio à Igreja Sofredora) que ele tem sido confinado em uma solitária na mesma área dos presos julgados com pena de morte.

Além disso, os agentes penitenciários estão abusando verbalmente e fisicamente do egípcio por causa da religião. Seus óculos foram quebrados e ele está sendo obrigado a andar descalço durante suas audiências perante a corte em Minya Misdemeanour.

Junto com os parceiros, a MAIS está orando por Boulous e pelo fim dos maltratos que ele está sofrendo diariamente na prisão.

Temos clamado ao Ministério da Justiça do Egito para investigar os abusos mentais e físicos que Bishoy Armeya Boulous vem sofrendo no cárcere e para cumprirem o que diz a constituição libertando-o diante dessas afrontas devido a sua religião.

O caso
Após sua prisão em Dezembro de 2013 sob alegação de causar lutas interdenominacionais, Boulous foi liberado e preso novamente em Julho de 2014. Na época ele trabalhava como correspondente da central televisiva El-Tarek, um canal de TV cristão, no momento da voz de prisão ele teve seus documentos e camera confiscados. No laudo da prisão redigido pelo Chefe da Inteligência da Polícia na província de Minya diz: “Chegou ao nosso conhecimento que um convertido do Islã está fotografando os protestos”. O advogado de Boulous garante que estas acusações são uma resposta a conversão de Boulous em 2007 e sua tentativa de alterar sua religião em seus documentos e identidade.


com informações da MAIS

 

veja também