Do Oriente Médio, missionário lamenta a crise no Brasil e a volta de obreiros que estavam no campo

"Oro para que não façamos parte das estatísticas de missionários voltando para o Brasil por causa da crise", diz ele

fonte: Guiame, com informações da MAIS

Atualizado: Quinta-feira, 1 Outubro de 2015 as 11:52

Finanças
Finanças

O pastor Fausto Madeira, diretor de mobilização da Missão em Apoio à Igreja Sofredora (MAIS), escreveu um comunicado que aborda a questão da crise no Brasil.

Os desafios financeiros, alta do dólar e da inflação, demissões em série, gera ainda outros problemas ocasionados pela crise que está instalada.

Na publicação, ele compatilha, em nome da MAIS, a reflexão que um missionário transcultural que está atuando no Oriente Médio junto à sua família.

"Nos últimos dias, fiquei muito triste com notícias que recebi de alguns obreiros que estavam voltando do campo, outros que foram de férias ao Brasil e foram obrigados a permanecer e também de algumas organizações missionárias desligando pessoal e trazendo gente de volta", diz ele.

O missionário destaca a alta também da moeda do país em que está, que pode chegar a valer seis reais.

"Oro para que não façamos parte das estatísticas de missionários voltando para o Brasil por causa da crise. Amamos servir nosso povo, nossos refugiados aqui no Oriente Médio. Estamos em paz e confiando no Senhor, mas convictos dia a dia de que só podemos seguir aqui realizando a obra para a qual fomos chamados se Deus seguir fazendo milagres em nossa casa. Em 14 meses fora do Brasil, esse é o momento econômico mais difícil que já enfrentamos", lamenta. "Peço a Deus que siga nos dando graça e nos abençoando e que a Igreja no Brasil e no mundo afora siga em oração, mobilização e apoio aos missionários no campo."

No final do comunicado, a MAIS frisa a necessidade de oração por saúde financeira e recursos que mantenham a obra missionária no mundo.

 

veja também