Dois anos após violentos ataques, cristãos no Mali ainda temem ameaças

"Construir uma presença cristã de novo vai ser muito difícil, e a maioria dos cristãos que fugiu do norte está com medo de voltar", disse um colaborador da Portas Abertas

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Sexta-feira, 29 Agosto de 2014 as 9:45

MaliHá dois anos, diversos cristãos se tornaram alvo de agressões de radicais islâmicos e igrejas foram queimadas no Mali, país que ocupa o 33º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa.

Em 2012, o Mali parecia ser outro Estado à beira de sucumbir a uma tomada islâmica. Mas em janeiro de 2013, o exército francês interveio e ajudou a estabilizar a situação, pelo menos temporariamente. Infelizmente, para a comunidade cristã, a infraestrutura do cristianismo no norte foi, em grande parte, destruída.

"Construir uma presença cristã de novo vai ser muito difícil, e a maioria dos cristãos que fugiu do norte está com medo de voltar", disse um colaborador da Portas Abertas.

Os cristãos estão começando a voltar para o norte do país lentamente e se reúnem em salas de aula, já que não há mais igrejas.

Embora grande parte de cristãos do Mali viva atualmente na região sul, eles ainda se sentem ameaçados por radicais do norte e temem novos ataques. As ameaças deixaram a comunidade cristã abalada, mas confiante na proteção de Deus. Ore para que os cristãos sejam fortalecidos e tenham condições de levantar novas igrejas e locais de culto.


com informações da Portas Abertas

 

veja também