Em quatro anos de guerra civil, pelo menos 63 igrejas foram destruídas na Síria

"Cristãos ficaram presos entre o fogo do governo Al-Assad e o inferno dos grupos extremistas", disse o porta-voz da Rede Síria

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas

Atualizado: Quinta-feira, 28 Maio de 2015 as 9:54

Igreja destruída na Síria
Igreja destruída na Síria

Com tiroteios e bombardeios 24 horas por dia, a Síria tornou-se algo parecido com o cenário de uma cidade-fantasma. Sírios, inclusive muitos cristãos, perderam casas, empregos, familiares.

Pelo menos 63 igreja já foram destruídas em quatro anos de guerra civil no país, de acordo com o Syrian Network for Human Rights (Rede Síria pelos Direitos Humanos, tradução livre) – organização não partidária que visa documentar e divulgar as constantes violações dos direitos humanos na Síria.

O relatório da organização aponta que o governo sírio, de Al-Assad, foi o responsável por quase dois terços dos ataques (40), seguidos das forças da oposição (14), grupos islâmicos como Estado Islâmico e Al-Nusra (7).

“Os cristãos e as igrejas sofreram como todo o povo sírio. Mísseis, armas químicas e bombas não diferenciam cristãos de não cristãos”, disse o porta-voz da Rede Síria, Dr. Wael Aleji.

Os grupos extremistas, as forças do governo e a oposição são acusados por ataques propositais contra as igrejas, e não aleatórios. Os três também são suspeitos de violar leis internacionais, usando igrejas como bases militares.

Aleji lamenta a atual situação dos cristãos. "Após a ascensão e expansão de grupos extremistas islâmicos (...) cristãos ficaram presos entre o fogo do governo Al-Assad e o inferno dos grupos extremistas."

 

veja também