Estado Islâmico deixa claro que o cristianismo mundial é seu inimigo número um

A cada cinco minutos um cristão é assassinado por causa de sua fé

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Terça-feira, 21 Outubro de 2014 as 10:37

Estado IslâmicoPublicada em vários idiomas pelo Estado Islâmico, a revista eletrônica Dabiq para recrutar combatentes em todo o mundo, chegou à quarta edição.

O veículo é uma ferramenta para atrair 12 mil voluntários de 74 nacionalidades diferentes. Na última página da revista, uma publicação convoca simpatizantes da sua causa a atacar os ocidentais "onde quer que eles possam ser encontrados."

No artigo “O regresso da escravidão antes da hora”, além de confirmar a escravização de milhares de mulheres e crianças yazidis, justifica essa atitude em relação à minoria curda, afirmando: “foram divididos entre os combatentes do Estado Islâmico conforme a sharia”.

Ao falar sobre a sua “vitória final”, os jihadistas dão um alerta aos “romanos”, termo genérico usado por eles para denominar a Civilização Ocidental. Explicam que sabem que chegarão a uma trégua quando se defrontarem com um inimigo comum, mas que o Ocidente romperá o acordo, assassinando um muçulmano. Segundo a visão islâmica, esse fato iniciará uma batalha, quando surgirá o messias islâmico (Mahdi), e conquistará de vez Constantinopla e Roma.

O Estado Islâmico resgatou o conceito de guerra religiosa entre muçulmanos e cristãos, nos moldes de embates medievais, desde que conquistou territórios na Síria e Iraque.

Ao escolher Roma como símbolo do cristianismo mundial, o grupo deixa claro que este é seu inimigo número um. "Se não chegarmos a esse tempo, então nossos filhos e netos irão alcançá-lo, e eles venderão seus filhos como escravos no mercado de escravos”, diz a reportagem em um alerta.

Em setembro, o líder cristão Gabriel Nadaf mostrou como o exército jihadista tem perseguido cristãos. “Em todo o Oriente Médio, nos últimos 10 anos, em média 100 mil cristãos foram assassinados a cada ano. Ou seja, a cada cinco minutos um cristão é assassinado por causa de sua fé.”


Com informações Portas Abertas/WND

 

 

veja também