Estudioso britânico questiona o silêncio diante da perseguição aos cristãos no Iraque

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Sexta-feira, 25 Julho de 2014 as 4:11

Iraque'Digna de desprezo' é como a situação atual da perseguição aos cristãos no Iraque é classificada por Tim Stanley.

O acadêmico britânico pesquisou sobre a perseguição e escreveu um artigo para o diário britânico The Telegraph expondo sua opinião sobre tudo o que encontrou.

Stanley critica a falta de pronunciamento a respeito do êxodo de cristãos do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL).

Diante da difícil situação dos cristãos que ainda permenecem no Iraque, ele pondera: "uma escolha pouco atraente: se converter, pagar um imposto religioso, ou ser colocado para a espada".

Para o britânico, o Ocidente deve se mover e intervir nessa situação. "As ruas de Londres se enchem de milhares que marcham contra a operação militar de Israel na Faixa de Gaza; o Ocidente trilha poderosamente contra os separatistas na Ucrânia, mas quanto ao Iraque não há nada", questiona o estudioso.

A preocupação com questões territoriais faz com que o Ocidente ignore os direitos humanos que, para ele, é motivo de se envergonhar por ver cristãos como uma minoria perseguida.

"Qualquer desgosto com a nossa própria covardia moral deve ser equilibrada pela admiração para os iraquianos que continuam a dar testemunho de sua fé, em uma terra que se move cada vez mais perto de proibi-los. A sua resiliência ilustra a diferença entre o islamismo fundamentalista e o cristianismo. O primeiro é uma religião de assassinos, este último é uma religião de mártires", diz Stanley.

O britânico pede que alguma providência seja tomada e que o esforço dos cristãos em viver e professar sua fé sejam respeitados.


com informações do Christian Post

 

 

veja também