Estudo mostra que o número de cristãos perseguidos no mundo é de 150 milhões

Dos atos de perseguição religiosa registrados no mundo, 80 porcento são contra cristãos

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quarta-feira, 17 Dezembro de 2014 as 4:18

perseguidos“O número de cristãos perseguidos no mundo é de 150 milhões", diz o Livro Negro da Situação dos Cristãos no Mundo, uma iniciativa única de estudiosos franceses, coordenada pelo jornalista Samuel Lieven.

Outro dado relevante mostra que 80 porcento dos atos de perseguição religiosa no mundo são contra cristãos, com uma média de 100 mil cristãos mortos a cada ano por causa de sua fé, ou seja, uma média de cinco cristãos a cada minuto.

No último domingo, 14 de dezembro, no Paquistão, dois cristãos, incluindo uma mulher grávida, foram queimados vivos no forno de tijolo em que trabalhavam. Um massacre envolvendo 400 muçulmanos.

O rabino-chefe da França, Haim Korsia, mostra sua indignação diante da situação:

“Onde estão as comunidades judaicas, uma vez tão ricas de Aleppo, Beirute, Alexandria, Cairo ou Trípoli? Onde estão as escolas de Nehardea e Pumbedita no Iraque? E onde está o florescimento do judaísmo em Esfahan e Teerã? Em nossa memória. Expulsos, mortos, dizimados, perseguidos e exilados, os cristãos do Oriente estão experimentando pessoalmente a mesma situação dos judeus com quem eles viveram por tanto tempo, e viram deixando esses lugares “

Para a Missão Portas Abertas, a perseguição no Iraque atingiu proporções bíblicas. No relatório de Ajuda à Igreja que Sofre, apresentado recentemente em Roma, reitera a ideia de Malik sobre estarmos vivendo a última fase do declínio regional dos cristãos.

No livro, um jihadista do Estado Islâmico fala ao telefone com o seu líder terrorista: “Eu tenho uma família de cristãos que não quer se converter, o que vamos fazer?” Uma frase que me fez lembrar dos pastores tutsi adventistas que, durante o genocídio em Ruanda, recorreram ao seu pastor com uma carta: “Gostaríamos de informar que amanhã seremos mortos com nossas famílias.”


com informações de Epoch Times

 

 

veja também