Extraditada em campo de concentração, cristã evangelizou prisioneiros

Extraditada em campo de concentração, cristã evangelizou prisioneiros

Atualizado: Segunda-feira, 24 Março de 2014 as 12

Bíblia"Eu era refugiada na China, mas, em vez de juntar dinheiro para fugir para a Coreia do Sul, gastava todas as minhas economias comprando Bíblias e livrinhos evangelísticos".
 
Esse é o testemunho de Hea Woo*, uma cristã norte-coreana que, mesmo em meio à pressão, mantém sua ousadia em ler e distribuir a Palavra de Deus.
 
Ela fugiu para a China em busca de alimento e acabou conhecendo Jesus. Ao estudar fervorosamente a Bíblia, entendeu que seu chamado era de evangelista, até que Deus a levou para ministrar em sua terra natal.
 
Um campo de concentração na Coreia do Norte foi o local para qual ela foi extraditada. "Cada dia, no campo, era uma tortura. Sempre me lembrava das pragas que Deus enviara ao Egito. Estar no campo é sofrer todas essas pragas ao mesmo tempo. Pessoas morriam e eram cremadas; os guardas espalhavam as cinzas nos caminhos que percorríamos todos os dias. Eu pensava ‘Um dia, os outros prisioneiros vão caminhar sobre mim’". 
 
Se mantendo fiel a Deus, Hea Woo passou a querer evangelizar os prisioneiros e perguntava a Deus como o faria. "Eu ia até a pessoa e falava o texto de Atos 16.3, que as pessoas tinham de crer em Jesus e então elas e sua casa seriam salvas. Essa palavra encorajava os outros prisioneiros, que estavam a um passo da morte todos os dias. Eles se convertiam muito facilmente", relata.
 
Com cinco pessoas ela iniciou uma célula lá dentro da prisão e compartilha os versículos que sabia de cor porque não tinha Bíblia. As reuniões aconteciam em locais privados (banheiros) e eles também cantavam alguns hinos. Apesar de toda a história de perigo e ousadia, Hea Woo não acha que fez algo extraordinário, diz que estava apenas sendo obediente.
 
 
*Nome alterado para a segurança da cristã.
com informações da Portas Abertas

 

veja também