#FelicidadeQueVemDoAlto - parte 1

A alegria de servir a Deus até na prisão

fonte: Portas Abertas

Atualizado: Quarta-feira, 18 Fevereiro de 2015 as 12:59

A pastora Linda, conhecida costureira em seu vilarejo, cuida de uma igreja com mais de trinta membros; em sua maioria, mulheres. O nome de uma personagem bíblica é usado para denominar sua igreja doméstica, chamada no texto a seguir de Igreja E. Em tempos de festa, conheça sua história: uma pastora que é feliz e grata ao Senhor até pelo seu tempo na prisão.

Todos os dias, às sete horas da manhã, cerca de três a cinco membros da Igreja E reúnem-se na casa da pastora Linda, que também é usada como igreja doméstica. O grupo ora durante uma hora. Eles fazem isso de uma forma que as autoridades não percebam suas ações.

Para chegar à igreja, alguns vão de motos ou bicicletas desde o subúrbio até a cidade. Outros caminham várias horas de madrugada para estar na igreja às sete horas.

Incontáveis “visitas” à polícia
No Vietnã, quando um grupo é pego adorando ou orando, todos são levados para a delegacia. Os membros são liberados mais facilmente do que o pastor ou o proprietário da casa. Estes normalmente sofrem durante dias de interrogatórios, às vezes são duramente agredidos e humilhados na frente de todos da comunidade.

Devido ao fato da pastora Linda ser a proprietária da casa, ela tornou-se um alvo fácil das autoridades locais. Quando a Portas Abertas lhe perguntou quantas vezes ela foi presa, ela começou a contar nos dedos e, depois de uns instantes, desistiu e disse: “Não consigo mais contar quantas vezes fui presa. Já foram muitas”.

Cada uma de suas “visitas” demora de três a sete dias. Outros cristãos, que conheceram a Igreja E, confirmaram à Portas Abertas essas detenções regulares da pastora Linda.

Quando não está na prisão, ela visita os irmãos em Cristo e nunca falha um dia em fazê-lo, viajando vários quilômetros em sua moto. “Não me importa se está chovendo ou fazendo sol”, disse ela sorrindo.

A pastora Linda diz que foi usada por Deus na vida de um de seus carcereiros. A esposa de um dos policiais que a prendeu contraiu de repente uma doença grave e desconhecida, exatamente quando ele a prendeu pela primeira vez. O oficial estava assustado. Perplexo quanto ao que havia acontecido com sua esposa, ele chamou vários médicos, mas nenhum conseguiu ajudar.

Uma manhã, a pastora Linda ficou surpresa ao encontrar o policial em sua casa. Desta vez, entretanto, ele não estava lá para prendê-la, mas para pedir-lhe um favor. “Você poderia orar ao seu Deus para que minha esposa fosse curada?”, ele perguntou. A pastora Linda o fez disposta e de imediato. No dia seguinte havia uma indescritível alegria na casa do policial – sua esposa fora milagrosamente curada! O oficial e a esposa converteram-se logo em seguida e ele não mais incomodou a pastora.

Há muito tempo que nenhuma autoridade local entra na igreja doméstica de Linda. “Eu sou muito grata a Deus por tudo”, compartilha ela. Já faz certo tempo também desde a última vez que ela “visitou” a delegacia. “O Senhor tem feito tantas coisas maravilhosas para nos proteger e sustentar sua Igreja”, concluiu a pastora.

 

veja também