Governo chinês continua campanha de demolições de igrejas, segundo membros

O pastor Huang Yizi, de 40 anos, foi condenado a um ano de prisão por protestar contra a campanha, sob a acusações forjadas.

fonte: Guiame, com informações de Telegraph

Atualizado: Segunda-feira, 20 Abril de 2015 as 8:59

Autoridades removem cruz de igrejas na China. (Telegraph)
Autoridades removem cruz de igrejas na China. (Telegraph)

 

A campanha de demolição de igrejas promovida pelo governo chinês continua atingindo os cristãos do país. Pelo menos 400 igrejas na província oriental de Zhejiang, foram demolidas total ou parcialmente desde o início de 2014.

As autoridades ainda negam que as igrejas cristãs estejam sendo alvo de destruição, alegando que, na verdade, estão tomando medidas contra todas as "estruturas ilegais". No entanto, membros das igrejas enxergam a medida como um ataque deliberado sobre sua fé. O pastor Huang Yizi, de 40 anos, foi condenado a um ano de prisão por protestar contra a campanha, sob a acusações forjadas.

As recentes remoções de cruzes sugere que a campanha ainda não terminou. Em 2 de abril, autoridades retiraram a cruz de uma igreja em Cixi. Dois dias depois, a cruz foi retirada do telhado da igreja En Quan. Nesta segunda-feira (13) pela manhã, uma terceira igreja foi alvo de Lishui, outra cidade na província de Zhejiang.

O cristianismo é a religião que cresce mais rápido na China. Alguns prevêem que o país asiático possa ter a maior congregação cristã do mundo nos próximos 10 anos, com 160 milhões de crentes.

Muitas das demolições e remoções de cruzes feitas no ano passado ocorreram em Wenzhou, uma grande cidade costeira apelidada de "Jerusalém do Oriente", por causa de sua grande população cristã.

As autoridades chinesas negam que estejam atacando igrejas, embora documentos surgiram que a campanha é projetada para sufocar o crescimento do cristianismo .

"Não existe essa tal coisa [campanha anti-igreja]", disse um oficial no ano passado.

veja também