Governo da China nega a existência de campanhas para demolição de igrejas no país

Governo da China nega a existência de campanhas para demolição de igrejas no país

fonte: Guiame

Atualizado: Sexta-feira, 11 Abril de 2014 as 2:30

Na semana passada, multidões de cristãos formaram um escudo humano para proteger a igreja "Sanjiang" em Wenzhou de ameaças de demolição, mas as autoridades comunistas da China disseram que o governo não está ativamente em campanha para destruir igrejas.

No entanto, 12 igrejas na província de Zhejiang foram marcadas pelo partido comunista para serem destruídas. Outras foram forçados a retirar suas cruzes ou desligar as luzes durante a noite para serem "menos visíveis", relata o "The Telegraph".

Feng Zhili, presidente dos assuntos étnicos e religiosos na província de Zhejiang , disse que o crescimento cristão na região era "demasiado excessivo e demasiado casual", insinuando a desaprovação do governo ao número crescente de cristãos praticantes .
 
Os pastores de Zhejiang estão pedindo ao governo para cessar a "campanha de demolição" e a "interferência hostil" sobre as organizações religiosas.
 
O presidente chinês, Xi Jinping disse no ano passado que o país estava "perdendo a sua bússola moral" e deve voltar a aderir religiões habituais do país, como Budismo, Confucionismo, Taoísmo. Segundo o líder, isso iria "ajudar a preencher um vazio que tem permitido a corrupção floresça".

Existem atualmente mais de 1 milhão de protestantes chineses em Wenzhou; a população da cidade é de 9 milhões.

Com informações do ChristianHeadLines.com

*Tradução por João Neto

veja também