Irã: Pastor Saeed Abedini é torturado com aparelho de choque na prisão

A tortura teve como objetivo, fazer com que o pastor assumisse as acusações que foram feitas anteriormente contra ele.

fonte: Guiame, com informações do ACLJ

Atualizado: Quinta-feira, 24 Setembro de 2015 as 1:08

Pastor Saeed Abedini, com sua esposa, Naghmeh e os dois filhos.

Depois de uma curta visita hoje ao seu marido na prisão iraniana de Rajaei Shahr, Naghmeh Abedini - esposa do Pastor norte-americano Saeed Abedini - ouviu notícias perturbadoras sobre possíveis novas 'penalidades' que estão sendo aplicadas a Saeed. Ao longo dos anos, o governo iraniano afirmou que a sentença de oito anos de prisão do Pastor Saeed poderia ser arbitrariamente estendida e na última terça-feira (22), as autoridades locais deram seus primeiros passos para cumprir esta promessa.

Agentes de inteligência iranianos, convocaram o Pastor Saeed para uma intensa rodada de interrogatórios. O líder cristão relatou à sua família que os interrogadores eram abusivaos verbal e fisicamente. Durante o curso do interrogatório, os oficiais usaram repetidamente uma aparelho que aplica choques ("taser") para torturar o pastor.

Além da sessão de tortura que aconteceu na última terça, as autoridades iranianas também estão negando cuidados médicos, necessários para tratar ferimentos do pastor, resultantes de outras agressões que ele sofreu anteriormente.

Os interrogadores ameaçaram queo Pastor Saeed terá de enfrentar novas acusações criminais. Alegaram que ele tem ligações com grupos rebeldese que teria feito declarações contra o governo iraniano. Pastor Saeed negou todas estas acusações, mais uma vez afirmou que ele não tem partido político no país e que ele nunca ameaçou a segurança do Irã, nunca fez quaisquer declarações contra o país ou tomado qualquer medida contra o governo local.

Este quadro se agrava, enquanto o presidente iraniano Hassan Rouhani prepara o seu discurso a ser proferido na Assembléia Geral das Nações Unidas, em Nova York. O encontro também coincide com novos esforços por parte do Centro Americano para Liberdade e Justiça (ACLJ) na arena internacional. Um número crescente de líderes globais tem concordado em exortar o Irã a libertar o Pastor Saeed.

O líder cristão manifestou repetidamente ao Governo iraniano, tanto durante os interrogatórios e durante o seu julgamento, que ele não representa nenhuma ameaça ao governo e só estava presente no Irã para ajudar crianças em situação de risco no Irã, construindo um orfanato aprovado pelo governo. Ainda assim, o Governo iraniano continuou a procurar maneiras de manter o pastor na prisão.

Em reação a esta notícia, Naghmeh Abedini o cristianismo não é uma ameaça para o Irã, mas sim uma resposta a necessidades humanas dos mais vulneráveis no país.

"Quando este pesadelo vai acabar? Saeed não é um criminoso. Ser cristão e motivado por valores cristãos para ajudar as crianças mais pobres e mais carentes no Irã deve ser visto como algo bom para a sociedade iraniana. Vemos que mais uma vez a linha dura no Irã está tentando forjar provas contra o meu marido e que ele foi abusado e torturado. Isto é quase insuportável", desabafou.

"É tempo de que os governos de todo o mundo mudem seu foco para as injustiças do Governo iraniano e peçam que liberte o meu marido. É o momento para que as empresas que procuram fazer negócios no Irã para olhem além de seus lucros e vejam a instabilidade de um governo conhecido por aprisionar os homens e mulheres inocentes que exerceram as suas liberdades fundamentais. [...] Temos de esperar e exigir mais de nossos líderes".

O ACLJ tem representado Naghmeh Abedini em pedir aos líderes mundiais que façam mais para libertar Pastor Saeed.

Além disso, uma petição online para clamar pela libertação do pastor Saeed já foi assinada por mais de 265 mil pessoas de diversos países.

Para acessar e assinar também este documento, acesse, clique aqui .

veja também