Iraque: Aliança Evangélica Mundial condena ataques aos cristãos e pede ação da Igreja

'A WEA se solidariza com esses companheiros cristãos e orienta toda a comunidade internacional, da mesma forma a Igreja global, para que se posicionem a favor dos perseguidos, não só em palavras, mas também em ação', diz nota oficial

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Sexta-feira, 15 Agosto de 2014 as 12:28

IraqueNo dia 8 de agosto, a Aliança Evangélica Mundial (WEA - singla em inglês) publicou uma nota oficial condenando os ataques que cristãos e outros grupos minoritários têm sofrido no Iraque.

“Nós condenamos o terrível mal que está sendo cometido contra comunidades minoritárias em geral e, em particular, aos cristãos que estão sendo perseguidos por militantes islâmicos no chamado ‘Estado Islâmico’ (...) Não pode haver nenhuma justificativa, qualquer que seja, que explique essa perseguição indiscriminada de uma comunidade que tem vivido naquela região tempos antes da chegada do Islã, e que tem consistentemente contribuído para o bem-estar de sua vizinhança, sejam quais forem as suas convicções religiosas”, disse o Dr. Geoff Tunnicliffe, Secretário Geral da WEA.

Na nota, ele lamenta que durante séculos os cristãos vivam no Oriente Médio mantendo a identidade cristã, mas como cidadãos de segunda classe, sem igualdade de direitos.

“Esse é um momento em que pessoas de todo tipo de fé devem se unir contra tão desumana e violenta opressão (...) A WEA se solidariza com esses companheiros cristãos e orienta toda a comunidade internacional, da mesma forma a Igreja global, para que se posicionem a favor dos perseguidos, não só em palavras, mas também em ação (...) Mais urgentemente eles precisam de proteção, segurança e ajuda humanitária para os milhares de refugiados que escaparam com pouco mais que as roupas do corpo. E, por favor, junte-se a nós em oração contínua por nossos irmãos e irmãs no Iraque e por toda aquela região, para que haja paz e liberdade religiosa para todos”, acrescentou Tunnicliffe.


com informações da WEA/Ultimato
Tradução: Maisa Haddad

 

veja também