'Jesus não nos abandonou', relata esposa do pastor Saeed Adedini, preso no Irã

Hoje Naghmeh, esposa de Saeed, precisa deixar seus dois filhos pequenos em casa, enquanto viaja pelo mundo fazendo campanha pela liberação do marido.

fonte: Guiame, com informações de Christian Today

Atualizado: Quarta-feira, 10 Junho de 2015 as 4:42

Naghmeh Abedini em discurso a Bolsa do Samaritano, ministério de Franklin Graham. (Reprodução/ Bolsa do Samaritano)
Naghmeh Abedini em discurso a Bolsa do Samaritano, ministério de Franklin Graham. (Reprodução/ Bolsa do Samaritano)

 

O caso do pastor Saeed Abedini é um dos mais conhecidos quando se trata de perseguição religiosa. Abedini, que é de origem iraniana mas residia nos Estados Unidos, foi criado no Islã. Depois de sua conversão ao cristianismo, implantou uma rede de igrejas domésticas no Irã e foi preso em 2012, e condenado a oito anos de detenção no ano seguinte.

Sua esposa, Naghmeh Abedini, relatou as dificuldades de sua família depois da prisão de seu marido em uma audiência pública da Comissão de Relações Exteriores no Congresso dos Estados Unidos. Hoje ela precisa deixar seus dois filhos pequenos em casa, enquanto viaja pelo mundo fazendo campanha pela liberação do marido. 

"Quase todas as manhãs, como hoje, eu acordo em um hotel novo, em uma cidade ou país novos e lembro de minha nova realidade: uma realidade que inclui aeroportos solitários e quartos de hotel vazios. A dor desta viagem, sem meu marido, só tem aumentado porque tive que deixar os meus filhos para defender a libertação dele. A realidade é que somos uma família dilacerada", desabafa Naghmeh.

"Ao longo dos últimos três anos, eu tive que ver os meus dois filhos, Rebekka (que tem 8 anos de idade) e Jacó (que tem 7 anos), sofrerem diariamente por crescer sem um pai", Naghmeh continuou. "Estou aqui hoje como uma mãe solteira que está tentando ser forte para seus filhos, e como uma esposa que humildemente admite que precisa de sua ajuda. Eu não posso suportar ver os olhos ardentes dos meus filhos e mais uma vez explicar a eles porque seu papai ainda não está em casa."

Ela disse que nenhuma religião no mundo poderia aliviar sua dor, apenas o conforto de um relacionamento íntimo com Cristo. "Quando você está vivendo um pesadelo nenhuma religião no mundo pode te ajudar. O 'o que fazer ou não' da religião não pode trazer muita paz e conforto. Apenas um relacionamento íntimo com o nosso Criador pode trazer a paz sobrenatural e a força que está cobrindo a nossa família hoje. E essa relação só é possível através da aceitação do alto preço do pecado que foi pago na cruz por Jesus Cristo. Hoje a salvação está disponível para todos os que creem".

Naghmeh conta que seu marido foi fortalecido pela fé. "Saeed é tão forte em sua fé que embora a Igreja não exista lá, ele tem Cristo com ele, que o fortalece. Outros prisioneiros disseram que geralmente, quando os prisioneiros saem da solitária, se sentem devastados, mas ele parecia revigorado e brilhante. Isso é o que faz esse relacionamento com Cristo."

"Durante os últimos três anos, Jesus nunca abandonou a família Saeed e Ele tem estado conosco na fornalha de fogo, mesmo quando o forno aqueceu sete vezes mais do que o habitual, Ele secou toda lágrima e tem nos dado força para suportar."

Processo

Embora Abedini não tenha quebrado nenhuma lei, as autoridades iranianas deixaram claro que ele não será liberado a menos que abandone sua fé cristã, o que é visto no Islã como apostasia, e retorne ao islamismo.

Os familiares de outros três americanos presos no Irã também testemunharam a audiência.

Há uma crescente pressão sobre o governo dos Estados Unidos para encerrar as negociações sobre um acordo nuclear com o Irã até que os quatro americanos sejam liberados.

veja também