Jovens muçulmanos fazem campanha para cristãos serem apelidados de 'Povo do Messias'

No Paquistão, os cristãos são conhecidos pela palavra isai, uma derivação citada no Alcorão que hoje carrega conotações pejorativas. Dizer que uma pessoa é isai, sugere que ela faça parte do grupo de moradores de rua e ou das castas baixas.

fonte: Guiame, com informações de Gleanings

Atualizado: Sexta-feira, 6 Novembro de 2015 as 6:20

Mais de 500 estudantes muçulmanos de todo o país fizeram um juramento onde prometeram chamar os cristãos de Masihi - Povo do Messias. (Foto: World Watch Monitor)
Mais de 500 estudantes muçulmanos de todo o país fizeram um juramento onde prometeram chamar os cristãos de Masihi - Povo do Messias. (Foto: World Watch Monitor)

Um grupo de jovens muçulmanos do Paquistão se comprometeu a alterar a nomenclatura pejorativa na qual os cristãos são chamados no país. A partir de agora, cristãos paquistaneses serão conhecidos como "o povo do Messias".

No Paquistão, os cristãos são conhecidos pela palavra isai, uma derivação citada no Alcorão que hoje carrega conotações pejorativas. Dizer que uma pessoa é isai, sugere que ela faça parte do grupo de moradores de rua e ou das castas baixas.

Para enfrentar esses estereótipos, a ONG Bargad, formada pela juventude do Paquistão, criou um programa para ensinar uma palavra alternativa ao restante da população. 

No mês passado, mais de 500 estudantes muçulmanos de todo o país fizeram um juramento onde prometeram chamar os cristãos de Masihi (Povo do Messias), colocando o apelido em uma conotação mais positiva.

"Por que nós, muçulmanos, não podemos chamar os cristãos pela palavra que eles acham mais respeitável para eles?", questionou o diretor da Bargad, Sabiha Shaheen. 

"Hoje estamos lançando uma semente para a harmonia social e a mudança. Todos os alunos fizeram um juramento para compartilhar esta mensagem com mais outras cem pessoas. Embora não haja uma lei em vigor que proíba xingamentos, como cidadãos responsáveis precisamos dar um passo em direção a essa mudança".

Muitos cristãos paquistaneses são descendentes da casta baixa chuhras, um grupo de origem hindu que foi para o Paquistão após a partição de 1947. Estes "intocáveis" preenchem empregos considerados "impuros", como a faxina, e são excluídos do restante da sociedade.

Nos últimos anos, líderes cristãos têm evitado usar o termo isai. Alguns explicam que a isai do Alcorão não faz referência ao Jesus bíblico. Outros ainda ressaltam que, uma vez que os discípulos de Jesus foram chamados "cristãos" em Atos 11:26, assim seu nome deve permanecer derivado da palavra "Cristo", e não "Jesus".

Grupos religiosos minoritários constituem apenas 3,6% da população de 173 milhões de pessoas no Paquistão.

veja também