Mais de 1.200 crianças foram sequestradas para se tornar 'futuros combatentes' do Estado Islâmico

Além das crianças, atualmente, existem mais combatentes estrangeiros nas fileiras militares do EI do que combatentes iraquianos oficiais. Pelo menos 40 homens-bomba entram no Iraque a cada mês para participar do EI.

fonte: Guiame, com informações de The Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 24 Junho de 2015 as 3:41

O EI sequestrou pelo menos 1.227 crianças de vários bairros de Mosul, que se tornou a cidade base do grupo desde junho de 2014.
O EI sequestrou pelo menos 1.227 crianças de vários bairros de Mosul, que se tornou a cidade base do grupo desde junho de 2014.

 

Mais de 1.200 crianças iraquianas foram recrutadas pelo Estado Islâmico (EI), e vendidas para um centro de treinamento em Mossul, no norte do Iraque. A intenção do grupo terrorista é preparar uma nova geração de combatentes para futuros ataques, segundo informou o porta-voz do Partido Democrático do Curdistão neste domingo (21).

Saeed Mamouzini disse na rede de televisão Al-Sumaria que, recentemente, o EI sequestrou pelo menos 1.227 crianças de vários bairros de Mosul, que se tornou a cidade base do grupo desde junho de 2014.

Mamouzini advertiu que as crianças foram levadas para um dos campos de treinamentos de "filhotes do califado", onde serão doutrinadas com a teologia extremista do EI e treinadas para realizar ataques terroristas e suicidas.

EI também raptou os adultos que protestaram o sequestro do grupo de crianças, acrescentou Mamouzini.

O primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi disse que o EI está usando crianças nas linhas de combate a fim de confundir e intimidar as milícias opostas. Abadi acionou a Organização das Nações Unidas (ONU) para rotular o uso de crianças na militância como "crime de guerra", afirmando que "a exploração de crianças para o assassinato é um crime hediondo".

"Os militantes treinam crianças e as enviam para a linha de frente para assustar as forças da oposição", disse o primeiro-ministro. "Eles treinam as crianças vindas de cerca de 100 países ao redor do mundo."

Novos treinamentos de homens-bomba

Abadi também disse que, atualmente, existem mais combatentes estrangeiros nas fileiras militares do EI do que combatentes iraquianos oficiais, acrescentando que há terroristas suicidas próximos de todos os países do Oriente Médio. Pelo menos 40 homens-bomba entram no Iraque a cada mês para participar do EI, advertiu Abadi.

"Há um problema a ser enfrentado nesses países", disse ele. "Cabe aos outros países pararem estes terroristas no nosso país, e pararem esta máquina de morte, destruição e terrorismo."

veja também