‘Me transformaram em uma máquina de sexo’, relata uma das grávidas resgatada do Boko Haram

Mais de 700 pessoas, que estavam sob o domínio do Boko Haram, foram resgatadas pelo exército nigeriano na última semana. Dentre os libertos, pelo menos 214 mulheres estão grávidas.

fonte: Guiame, com informações de The Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 8 Maio de 2015 as 10

Dentre os libertos do Boko Haram, pelo menos 214 mulheres estão grávidas.
Dentre os libertos do Boko Haram, pelo menos 214 mulheres estão grávidas.

 

Mais de 700 pessoas, que estavam sob o domínio do Boko Haram, foram resgatadas pelo exército nigeriano na última semana. Dentre os libertos, pelo menos 214 mulheres estão grávidas.

Entre elas está Asabe Aliyu, uma mãe de 23 anos que ficou sequestrada por seis meses sob domínio do Boko Haram. Ela lembra ter sido estuprada repetidamente por diferentes homens diariamente, e foi forçada a se casar com um dos militantes.

"Primeiro eu tive que peregrinar da minha aldeia até uma floresta perto de Camarões, e lá me transformaram em uma máquina de sexo. Eles se revezaram para dormir comigo. Agora, estou grávida e eu não posso identificar o pai", disse a moça com lágrima nos olhos ao Daily Times.

Outras centenas de mulheres, incluindo Lami Musa, de 27 anos, sofreram da mesma forma, além de serem física e emocionalmente abusadas e torturadas.

"Eles sequestram toda a minha família e mataram meu marido na floresta Kilkasa, quando eu estava grávida de quatro meses. Eles nos levaram para a floresta Sambisa, e nós dormimos em campo aberto. Por dias ficamos sem água ou comida, incluindo minha bebê de 3 dias de idade”, disse Musa. "Eu não posso verificar o estado de saúde dela. Eu não tomei banho desde que tive o bebê. O bebê ainda está precisa ser banhado também."

‘Nascimento de terroristas’

O pastor Laolu Akande, diretor da Associação Cristã da Nigéria, disse que acredita que os militantes agiram de má fé ao estuprar e engravidar as mulheres. "Isso revela o mal de espírito dos terroristas. Eles acreditam que ao engravidar essas mulheres, vão reproduzir crianças que não serão atendidas na sociedade, e então, crescerão descontentes e em última análise, se tornarão terroristas", disse Akande.

"A situação de alguém que sofreu estupro é muito precária, muitas pessoas não sabem dizer como irão educar esse tipo de criança", disse ele. "Você olha para a criança e, em seguida, se lembra do mal que foi feito para você. Então o que eles [terroristas] esperam é que as crianças que são frutos desse tipo de gravidez – não que haja algo errado com os filhos –, continuem o mal", acrescenta o pastor.

veja também