Meses antes de ser assassinada no Haiti, missionária disse que estava "cansada e com medo"

Apesar de fazer a confissão a alguns amigos de sua igreja, nos Estados Unidos, a missionária não chegou a entrar em detalhes sobre quais fatores estaria surtindo estes efeitos.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 15 Outubro de 2015 as 5:02

A missionária de 55 anos que foi assassinada no Haiti, Roberta Edwards teria dito aos presbíteros da Igreja de Cristo Estes, em Henderson, Tennessee (EUA) - comunidade cristã que apoiou seu trabalho - que estava "cansada e com medo", dois meses antes de ser morta a tiros. Apesar da confissão, a missionária não chegou a revelar os fatores que estariam surtindo estes efeitos nela.

Edwards era administradora e "mãe" na Casa de Crianças Sonlight, em Porto Príncipe, onde dezenas de crianças receberam assistência social ao longo dos últimos anos. Ela também dirigiu um centro de nutrição, que alimenta 160 crianças com duas refeições por dia, cinco dias por semana, além de fornecer fundos para o financiamento da educação destes pequenos.

Harold Pirtle, um ancião da igreja que viajou do Tennessee para ajudar nos projetos em que Edwards trabalhava disse à Associated Press que a missionária teria confessado que estava cansada e com medo, mas ela nunca mencionou quaisquer ameaças específicas.

Uma declaração emitida anteriormente pela igreja pouco depois de sua morte no domingo, disse: "Roberta era uma luz para aqueles na comunidade e dedicado a trazer esperança aos desesperados Ela sabia que ela trabalhava em um ambiente perigoso, mas havia se comprometeu a cuidar. para as crianças no Haiti, apesar desses riscos ".

Pirtle informou que Edwards serviu como missionária no Haiti por 20 anos, mas antes disso, havia para o país caribenho após casar-se com um haitiano. Apesar do casamento não ter sido bem sucedido, Roberta decidiu continuar no país e ajudar crianças em situação de risco.

Apesar dos muitos frutos com o trabalho realizado em prol das crianças, cerca de dois meses atrás, em uma viagem para visitar o Tennessee, ela mencionou que estava vivendo um dilema: estava com medo de continuar no Haiti, mas não queria deixar as crianças apoiadas por seu ministério.

"Você pode imaginar estar aqui e fazer esse trabalho - ela vem fazendo isso há 20 anos e então ela pensou em deixar o trabalho, mas disse: 'Eu não posso deixar as crianças", disse ele à AP.


Assassinato e sequestro

Edwards estava em seu carro com três crianças, quando foi atacada por dois homens armados, no último sábado (10). Ela estava voltando de um posto de gasolina por uma estrada de terra, perto da casa, nos arredores de Porto Príncipe, segundo informou a AP.

"O carro de Roberta foi parado por um outro veículo que intencionalmente bloqueou seu caminho. Pistoleiros armados saíram do veículo e dispararam contra carro de Roberta, matando assim a mulher", relatou uma testemunha ocular do assassinato. Edwards foi baleada várias vezes enquanto ainda estava ao volante de seu carro.

A Polícia Nacional do Haiti ainda está investigando o que teria motiado o assassinato de Edwards. Duas das crianças que estavam com ela no momento do ataque conseguiram escapar, enquanto um terceiro (um menino órfão de 4 anos de idade, que Edwards tinha sob seus cuidados desde que ele tinha 9 meses) foi seqüestrado.

O menino foi identificado como Jonathan "JoJo" Paul. Segundo os colegas de Roberta (também missionários), os homens armados levaram o garoto em um veículo com vidros escurecidos.

"Nossos corações estão quebrando por ele. E nós certamente esperamos que quem o levou, onde quer que esteja, quem quer que o tenha levado, ele irá retornar o mais rápido possível", disse Larry Waymire, um colega de longa data e amigo de Edwards.


Luto
Na última quarta-feira, amigos e familiares de Edwards, no Haiti e nos Estados Unidos dedicaram um momento de luto e orações.

Centenas de pessoas lamentaram fora dos portões da Casa das Crianças, no Haiti, na manhã após a morte de Roberta e na última quarta-feira, enquanto planejavam um serviço memorial para homenagear a mulher que todos eles conheciam como mãe.

Mais de 100 estudantes e membros da Freed-Hardeman University, em Henderson também manifestaram o seu pesar durante uma vigília, no campus da universidade cristã na última quarta-feira.

Freed-Hardeman sênior Andy Maach disse a Jackson Sun que ele sugeriu a comunidade escolar se reúnem em oração para Jon Paul Gulledge, espiritual presidente da comissão vida da associação do governo do estudante, como uma forma de unir as pessoas afetadas pelo assassinato de Edwards.

"Ele nos reúne e nos une", disse Gulledge durante a vigília. "Nós realmente acreditamos que não há nada que pudéssemos fazer de melhor que apenas orar e pedir a Deus para confortar aqueles prejudicados por esta situação".

veja também