Minha oração da paz

É sempre uma alegria ser reconhecido como teu filho, privilégio concedido aos pacificadores (Mateus 5.9)

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Terça-feira, 27 Maio de 2014 as 11:23

pazTambém conhecida como "Oração de São Francisco", a "Oração da Paz" é de origem anônima e apareceu pela primeira vez em 1912 num boletim na cidade de Paris. Nestes mais de cem anos, tem sido inspiração para muita gente. Tomei emprestadas as palavras para compor minha versão ampliada.

Senhor, Fazei de mim um instrumento de vossa Paz.

É sempre uma alegria ser reconhecido como teu filho, privilégio concedido aos pacificadores (Mateus 5.9).

Onde houver Ódio, que eu leve o Amor,
Não quero racionalizar os motivos que levam pessoas a odiar e perseguir seus semelhantes. Lembrando Pascal, "o coração tem razões que a própria razão desconhece". Faço minha a prece de Ana Paula Valadão: "dá-me um coração igual ao teu".

Onde houver Ofensa, que eu leve o Perdão.
Durante anos, evangélicos foram perseguidos no Brasil e sentiram na pele o preço altíssimo da intolerância. Que o crescimento do rebanho jamais nos deixe cair na armadilha de tentar usar a força para impor crenças ou princípios. "Não por força, nem por violência" (Zacarias 4.6).

Onde houver Discórdia, que eu leve a União.
A internet potencializou querelas e desavenças. Infelizmente, a beligerância atinge até o povo que deveria viver em união para receber "a bênção da vida para sempre" (Salmos 133.3). Camus afirmou que “a obsessão em ter razão é a marca suprema de uma inteligência grosseira”. Deus me ajude a ser um súdito fiel do Príncipe da Paz.

Onde houver Dúvida, que eu leve a Fé.
O contrário da fé não é a dúvida, mas o medo. Vivemos em um período de distrações múltiplas (alguém se lembrou da Internet?) e muitas vezes falta-nos coragem para promover mudanças. Como acontece na conhecida ilustração da rã na chaleira, o comodismo não nos permite perceber que o aumento da temperatura pode provocar a morte de sonhos e projetos.

Onde houver Erro, que eu leve a Verdade.
De acordo com John Stott, "se formos fiéis ao evangelho cristão, devemos agir contra a injustiça onde quer que a encontremos". A nossa omissão cala a voz divina e encurta os braços do Criador. Que nossa sensibilidade esteja sempre afinada com o coração de Deus.

Onde houver Desespero, que eu leve a Esperança.
Pesquisa recente mostrou que 61% do eleitorado rejeita o voto obrigatório. Segundo Agostinho, "a esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem". Não podemos estacar na indignação ou no protesto nas Redes Sociais. "A indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las.”

Onde houver Tristeza, que eu leve a Alegria.
Fiquei chocado ao ler que mais de 21% dos brasileiros de 14 a 25 anos têm sintomas indicativos de depressão. Mais grave ainda descobrir que 5% dos jovens declararam já terem feito alguma tentativa de suicídio. Deus me abençoe com a mesma unção que esteve sobre a vida do profeta Isaías: "O Espírito do Soberano Senhor está sobre mim... para consolar todos os que andam tristes" (Is 61.1,2).

Onde houver Trevas, que eu leve a Luz!
Às vezes nos sentimos pequenos diante da grandeza dos desafios da nação. No entanto, basta um pouco de luz para dissipar a escuridão. Lembrando as palavras do hino, "minha pequena luz, eu vou deixar brilhar". Assim seja.


- Carlos Alberto Bezerra Jr.
via Facebook

veja também