Ministério cristão presta apoio a vítimas do tráfico sexual, na Coreia do Norte

A missão internacional Portas Abertas está prestando apoio a cerca de 150 a 200 mulheres traficadas a cada ano da Coreia do Norte para a China.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Sexta-feira, 6 Janeiro de 2017 as 3:45

Cerca de 150 a 200 mulheres vítimas do tráfico sexual são ajudadas pela missão Portas Abertas. (Foto: The Daily Beast)
Cerca de 150 a 200 mulheres vítimas do tráfico sexual são ajudadas pela missão Portas Abertas. (Foto: The Daily Beast)

Mulheres da Coreia do Norte estão sendo vítimas do tráfico sexual, que atravessa a fronteira para o nordeste da China. Elas enfrentam abuso e exploração, mas um ministério cristão está tentando ajudá-las.

A missão internacional Portas Abertas está prestando apoio a cerca de 150 a 200 mulheres traficadas a cada ano. Elas são vendidas em casamentos de fachada ou como escravas da Coreia do Norte e muitas sofrem abusos ​​e maus tratos. Os trabalhadores da Portas Abertas oferecem assistência prática, cuidados pastorais e estudos bíblicos a essas vítimas.

Uma delas, Hwa-Young, disse que as mulheres traficadas "cresceram em extrema pobreza, sempre com fome, sabendo o que é se preocupar com todas as refeições, mendigar por comida ou até mesmo buscá-la no lixo".

"Elas vão para a pré-escola na Coreia do Norte quando têm cerca de cinco anos de idade, mas ainda são obrigados a assistir a execuções públicas. Às vezes, amigos ou vizinhos foram assassinados diante de seus olhos", contou.

"Mesmo quando elas se tornam jovens ou adultas e deixam o país, ainda vivem essa pressão psicológica do medo. Há muito mais liberdade aqui na China, mas as mulheres ainda não estão seguras. Além disso, a maioria delas foi abusada, tanto na Coreia do Norte e na China, elas se sentem entorpecidas, e nem sentem mais a dor", lamentou.

Ela disse que as mulheres foram "criadas sob o jugo do medo".

"A cidade de Pyongyang já foi conhecida como a 'Jerusalém do Oriente", disse ela, referindo-se à história de como o cristianismo costumava ser prevalente na capital. "Agora o povo tem que adorar a estátuas de Kim Il-Sung e Kim Jong-Il nesta cidade".

Ela disse que o objetivo do projeto das mulheres era formar líderes femininas para o futuro.

Cerca de 10 delas estão sendo treinadas para o ministério com as mulheres na China, com o objetivo a longo prazo de ajudar a construir uma Igreja na Coreia do Norte - país que se classifica como o lugar mais hostil para os cristãos no mundo, segundo a Lista anual da Portas Abertas.

veja também