“Muçulmanos convertidos estão prontos para morrer pela fé em Jesus”, diz pastor da Síria

Embora o número de cristãos no país tenha diminuído desde o início da guerra devido à perseguição, muitas pessoas ainda estão se achegando à fé em Jesus.

fonte: Guiame, com informações de Christian Today

Atualizado: Sexta-feira, 11 Março de 2016 as 4:49

Um homem assírio caminha durante um protesto unido a centenas de pessoas. (Foto: Reprodução/The Wall Street Journal)
Um homem assírio caminha durante um protesto unido a centenas de pessoas. (Foto: Reprodução/The Wall Street Journal)

Mesmo com cinco anos marcados por uma cruel guerra civil, cada vez mais pessoas estão se voltando para Jesus Cristo na Síria.

"Estamos em uma grande colheita. Deus está acordando uma igreja adormecida. Os muçulmanos que se voltam a Jesus estão prontos para morrer por suas novas crenças. Este é um tipo diferente de cristianismo", disse um pastor local à organização Portas Abertas.

A guerra na Síria devastou sua população, que hoje sustenta o cenário de 7,6 milhões de pessoas internamente deslocadas e 4,6 milhões refugiadas.

Embora o número de cristãos no país tenha diminuído desde o início da guerra devido à perseguição, muitas pessoas ainda estão se achegando à fé em Jesus.

"O que me atraiu foi o ambiente de amor da igreja", disse um cristão sírio convertido, de origem muçulmana, que vive em Alepo.

O número de cristãos registrados na Síria caiu de 1,9 milhões para cerca de 600 a 900 mil. Hoje, o número de cristãos secretos é desconhecido.

Muçulmanos novos convertidos podem enfrentar graves consequências por deixar sua religião. "Nós nos tornamos cristãos. Minha esposa teve o véu arrancado, e as pessoas começaram a nos ameaçar", disse um refugiado sírio no Líbano à Portas Abertas.

Ainda assim, há sinais de esperança na Síria. Em fevereiro, uma igreja localizada em Homs, no oeste do país, abriu uma fábrica de móveis e já fornece trabalho para mais de trinta pessoas.

A organização também financiou a abertura de uma nova farmácia, permitindo que os moradores comprem medicamentos a um preço baixo. "Uma das mulheres carentes que receberam o medicamento ficou em lágrimas", disse um representante da Portas Abertas.

"Nós continuamos vivendo na Síria com a esperança de que o nosso país seja curado de seus resultados dolorosos. Ele vai se curar de suas feridas e recuperar sua paz em breve", disse o pastor sírio. "Nós, sob a graça do Senhor e por meio de sua força, decidimos ficar e seguir em frente."

veja também