Na Colômbia, pastores têm que negociar o sequestro dos próprios filhos com grupos violentos

Crianças traumatizadas com a violência desses grupos são acolhidas e cuidadas pela Casa Abrigo Visão Ágape

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas

Atualizado: Quarta-feira, 23 Setembro de 2015 as 2:33

Colômbia
Colômbia

Lidar com o sequestro de um filho com certeza não é algo fácil, pior ainda é ter que ser o próprio pai a negociar com o sequestradores. E é isso que acontece na Colômbia. Pastores têm a tarefa de negociar com grupos que sequestram seus filhos e os filhos de membros da igreja.

Morador de uma vila tomada por gangues criminosas, o pastor Maurício foi até um desses grupos para negociar a liberdade do próprio filho, mesmo sabendo que poderia ser morto.

Junto aos amigos, o pastor orou antes de se apresentar ao líder do grupo de sequestradores. Numa breve conversa, lhe foi permitido resgatar o filho de 15 anos de idade, com uma condição: eles teriam que deixar a vila. A condição foi aceita e dias depois o pastor mudou-se com a família. Embora mais seguros, eles ainda têm medo e o garoto ficou traumatizado.

O governo colombiano tem feito acordos de paz com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias Colombianas) e ficou certo de que eles não recrutariam crianças com menos de 17 anos, mas os cristãos da região relatam que crianças mais novas continuam sendo raptadas.

A Casa Abrigo Visão Ágape, apoiada pela Portas Abertas, recebe crianças que sofrem com esse tipo de traumas e usa a Palavra de Deus para cuidar, amar e ensinar a confiar em Jesus.

 

veja também