Na Nigéria, rebeldes do Boko Haram atacam e matam mais de 100 pessoas

Na Nigéria, rebeldes do Boko Haram atacam e matam mais de 100 pessoas

Atualizado: Sexta-feira, 21 Fevereiro de 2014 as 3

NigériaNo dia 15 de feveiro, último sábado, 106 pessoas morreram na aldeia Izghe, perto da fronteira com Camarões, no estado de Borno, quando supostos membros do Boko Haram cercaram a aldeia às 21h30 em caminhões e motocicletas.
 
Antes de matar as centenas de pessoas, os rebeldes separaram os mulçumanos dos cristãos. Alguns foram baleados e outros tiveram as gargantas cortadas. Além disso, os rebeldes saquearam os comércios e fugiram para o deserto.
 
Com medo de se reunir para enterrar os assassinados, ninguém fez nada e dias depois os corpos continuavam espalhados pelas ruas. Tanto muçulmanos quanto cristãos fugiram. Os únicos que ficaram para trás foram os idosos que não puderam fugir.
 
Como parte de sua luta contra a insurgência islâmica, o governo bombardeou esconderijos do Boko Haram na semana anterior ao ataque.
 
A BBC informou na semana passada que o governador do estado de Borno, Kashim Shettima, pediu mais tropas para combater o Boko Haram. Ele disse à imprensa que "oficiais e soldados do exército nigeriano e da polícia nigeriana lhe disseram que estão fazendo o seu melhor, dadas as circunstâncias, mas você e eu sabemos que o Boko Haram é mais bem armado e motivado."
 
Pedidos de oração 
• Ore pedindo por conforto do Senhor para os seus filhos que sobreviveram aos horrores do ataque em Izghe. Peça para que a graça abundante de Deus seja ministrada sobre a vida deles, sarando a sua dor por meio das suas misericórdias.
• Interceda pelos cristãos nos estados do norte da Nigéria e, em particular, em Borno, Yobe e Adamawa, para que Deus lhes dê a graça que necessitam para responder a estes sofrimentos de uma maneira que honre a Cristo.
• Lembre-se dos líderes da igreja; ore para que eles sejam consolados e fortalecidos, capazes de consolar outros.
• Clame para que o governo aja com grande urgência e faça o que for necessário para proteger o povo do norte da Nigéria.
 
 
com informações da Portas Abertas
 

veja também