No Marrocos, cristãos são proibidos de evangelizar

Quem desobedece pode pagar multa e ser preso

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Segunda-feira, 17 Novembro de 2014 as 9:27

MarrocosCom uma população de mais de 33 milhões, o Marrocos é uma mistura de ascendência árabe e berbere. Na lista da Perseguição Religiosa, o país aparece na 44ª posição.

Politicamente, o Marrocos é uma monarquia constitucional parlamentar. Ao rei, Mohammed VI, é concedido amplo poder executivo. Ele é ao mesmo tempo o líder político e o "defensor da fé".

A Igreja no Marrocos tem aproximadamente 25 mil fieis, mas estima-se que de 80 a 95 por cento desses cristãos não são marroquinos de origem.

Os islamismo é condesiderado a religião oficial do país, por isso somente os estrangeiros podem prestar culto e adorar a Deus livremente.

Muitos ex-muçulmanos sofrem forte pressão da família para que retornem ao islã. Esses cristãos enfrentam isolamento social e, a educação religiosa para crianças de famílias cristãs não é fornecida.

Qualquer tentativa de converter um muçulmano é ilegal, de acordo com o artigo 222 do Código Penal. Qualquer tentativa para interromper uma ou mais pessoas do exercício de sua crença religiosa ou frequência aos seus cultos é ilegal e pode ser punida com três a seis meses de prisão e uma multa.


com informações da Portas Abertas

 

veja também