O que é o ISIS? 4 fatos importantes Sobre este grupo terrorista que está atuando no Iraque

Suas atrocidades contra as minorias religiosas e o esforço para criar um Estado islâmico no Oriente Médio geraram a indignação internacional, bem como ataques aéreos por parte dos Estados Unidos.

fonte: Guiame

Atualizado: Quinta-feira, 21 Agosto de 2014 as 5:57

O que é o ISIS? 4 fatos importantes Sobre este grupo terrorista que está atuando no Iraque O Estado Islâmico do Iraque e da Síria, também chamado de "Estado Islâmico do Iraque e do Levante", já foi tema de inúmeras manchetes em todo o mundo.

Suas atrocidades contra as minorias religiosas e o esforço para criar um Estado islâmico no Oriente Médio geraram a indignação internacional, bem como ataques aéreos por parte dos Estados Unidos.

Abaixo estão quatro pontos importantes sobre o ISIS, especificamente as suas origens, o envolvimento militar, atrocidades e denúncias de líderes muçulmanos.

Origem
O Começo do Isis pode ser rastreado até a Segunda Guerra do Golfo, em 2003, quando os EUA, juntamente com uma pequena coalizão de outras nações, invadiram o Iraque e derrubaram o ditador Saddam Hussein.

Dentre as diversas forças combatidas pela coalizão, a insurgência e o novo governo iraquiano, estava o grupo extremista islâmico al-Qaeda, no Iraque.

O ISIS foi formado a partir da filial da Al-Qaeda, em abril do ano passado e liderado por Abu Bakr al-Baghdadi, um jihadista misterioso, que se acredita ter nascido no Iraque, em 1971.

Inicialmente centrado no Iraque e conhecido como o Estado Islâmico do Iraque (ISI), O ISIS acrescentou o segundo S para a Síria ao seu nome, assim que guerra civil deste outro país entrou em erupção há vários anos, de acordo com Aaron Y. Zelin, do Instituto Washington.

"No final do verão de 2011, o líder ISI Abu Bakr al-Baghdadi enviou agentes à Síria para estabelecer uma nova organização jihadista", escreveu Zelin em 2013.

"Entre eles estava Abu Muhammad al-Jawlani, o líder do que se tornaria JN, que anunciou-se oficialmente no final de janeiro de 2012 ... Devido a esses sucessos, Baghdadi mudou o nome de seu grupo de ISI para ISIS em abril de 2013"

Vitórias e derrotas
Desenhando suas origens de formações anteriores de organizações jihadistas no Oriente Médio, o ISIS tem vindo a manter o território, tanto na Síria, como no Iraque.

Como a Síria continua a ser dividida pela guerra civil, o ISIS apreendeu partes da porção oriental do país e ganhou muita atenção quando ele tomou a maior cidade iraquiana de Mosul, em junho.

Parte da conquista incluiu assumir o controle da Represa de Mosul, a maior hidrelétrica do país, aumentando a ameaça de que militantes ISIS possam intencionalmente inundar grande parte da região.

A "British Broadcasting Corporation" (BBC) observou que o ISIS teve grandes vitórias militares, antes e depois da adopção da sua denominação atual.

"O grupo tem visto o sucesso militar considerável desde março de 2013, quando ele assumiu a cidade síria de Raqqa - a primeira capital provincial a cair sob o controle dos rebeldes", observou BBC.

"Em janeiro de 2014, ele aproveitou crescente tensão entre a minoria sunita do Iraque e do governo liderado pelos xiitas, assumindo o controle da cidade predominantemente sunita de Fallujah, na província ocidental de Anbar."

Em resposta a seus sucessos e ataques a vários grupos, os EUA recentemente começaram a lançar ataques aéreos contra a organização e curdos no norte do Iraque foram recuando.

Daniel Byman, professor na Universidade de Georgetown e diretor de pesquisa do Centro Saban para Política do Oriente Médio na Brookings Institution, escreveu recentemente que a aparente invencibilidade do ISIS 'fala menos ao seu talento como faz falta à eficácia de seus oponentes'.

"Os Estados Unidos forneceram milhares de milhões de dólares em equipamento militares para o exército iraquiano, que em tese, supera de longe o ISIS - em números e armas. O problema é que o exército iraquiano não vai lutar", escreveu Byman para The Washington Post.

"[O primeiro-ministro Nouri al-Maliki] nomeou legalistas políticos, moralistas e não líderes competentes, como os seus oficiais superiores. A discriminação do regime contra os sunitas do Iraque minou entre os soldados sunitas, que não querem lutar por um governo que eles desprezam"

O ISIS tem atraído indignação internacional para o seu tratamento brutal das minorias religiosas e outros muçulmanos no território que ocupam a Síria e o Iraque.

Alegações de validade variam incluindo relatos de decapitações, massacres de prisioneiros, e as tentativas de exterminar comunidades cristãs.

Esta propensão para a violência contra grupos diversos sob o seu domínio já existia na formação anterior ao ISIS, como a Al-Qaeda no Iraque e levou a uma reação de grupos de milícias iraquianas em 2007.

Em 14 de agosto, representantes especiais das Nações Unidas divulgaram uma declaração conjunta, pedindo o mais alto nível de ajuda humanitária no Iraque por causa do ISIS.

"Estamos seriamente preocupados com relatos constantes de atos de violência, incluindo a violência sexual contra mulheres e adolescentes e meninos pertencentes a minorias iraquianas", dizia a declaração em parte.

"Contas atrozes de raptos (sequestros) e detenções de Yazidis, Christian, bem como turcomanos e mulheres Shabak, meninas e meninos, e relatos de estupros selvagens, estão a atingir-nos de uma forma alarmante."

A ONU estima que cerca de 1.500 Yazidi e cristãos pessoas foram forçadas à escravidão sexual e dezenas de milhares de pessoas foram forçadas a deixar suas casas.

Oposição islâmica contra o ISIS
A ideologia e as atrocidades do ISIS os levaram a encontrar oposição de vários líderes e grupos islâmicos.

Em agosto, o governo indonésio proibiu suporte ao ISIS depois que o grupo terrorista do Oriente Médio tentou recrutar membros do país muçulmano mais populoso do mundo.

Não muito tempo depois da ação da Indonésia, o clérigo egípcio influente grão-mufti Shawqi Allam, declarou na agência de notícias estatal MENA, que o ISIS "representa um perigo para o Islã e os muçulmanos."

"Um grupo extremista e sangrento como este representa um perigo para o Islã e os muçulmanos, mancha sua imagem, bem como o derramamento de sangue e espalha a corrupção", disse Allam.

"[Eles] dão uma oportunidade para aqueles que procuram nos prejudicar, nos destruir e interferir em nossos assuntos com o [pretexto de] chamar para lutar contra o terrorismo."

Byman da Brookings escreveu que o ISIS está em condições ruins com a Al-Qaeda, sendo que as duas entidades estiveram uma vez aliadas, mas atualmente são "terríveis inimigas."

"A Al-Qaeda e o ISIS divergem sobre tática, estratégia e liderança. O líder Abu Bakr al-Baghdadi apoia a prática de decapitações e crucificações e ele se concentra sobre os rivais e locais, ignorando [líder da Al Qaeda, Ayman al-Zawahiri] a ideia de bater os 'inimigos distantes', como os Estados Unidos", escreveu Byman.

"Essas diferenças vieram à tona na Síria, quando Zawahiri designou o relativamente mais contido, Jabhat al-Nusra (JN) como afiliado local da Al-Qaeda. Baghdadi acredita que seu grupo deve ser responsável pelas operações jihadistas no Iraque, Síria, Líbano e Jordania. Os dois grupos ligados entre si, com a sua luta interna supostamente estão causando a morte de milhares de pessoas ".

Apesar dos muitos inimigos, o ISIS continua a ser uma força poderosa na região. Eles controlam vários poços de petróleo e supostamente recebem muita verba de financiamentos privados em vários países árabes.

Com informações do Christian Post

*Tradução por João Neto - www.guiame.com.br 

veja também