Obama 'quebra promessa' feita à família do Pastor Saeed Abedini e avança no acordo com Irã

O ACLJ lembrou que Obama tinha prometido a família Abedini, que ele não iria esquecer o pastor e o 'traria de volta para casa'.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 15 Julho de 2015 as 4:02

O Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ) e Naghmeh Abedini, a esposa do pastor norte-americano preso Saeed Abedini já instaram o Congresso dos EUA a rejeitar acordo nuclear da última terça-feira, entre os Estados Unidos e o Irã, que propõe suspender as sanções econômicas antes lançadas contra República Islâmica.

O ACLJ lembrou que Obama tinha prometido a família Abedini, que ele não iria esquecer o pastor e o 'traria de volta para casa'.

"É inconcebível que o governo Obama venha a assinar um acordo com o Irã sem assegurar a liberdade do pastor Saeed, que está preso há quase três anos, simplesmente por causa de sua fé cristã", disse o conselheiro-chefe do do ACLJ, Jay Sekulow, em uma resposta ao 'Christian Post'.

"O presidente Obama disse pessoalmente à família Abedini que ele considerava a libertação de pastor Saeed uma 'prioridade'. Como isso poderia ser uma 'prioridade', enquanto um acordo como este é firmado e o pastor Saeed é deixado para trás? O que aconteceu hoje significou um mau negócio, algo ainda pior. Vamos agora concentrar a nossa atenção em convencer o Congresso a rejeitar este acordo".

Embora os EUA e os líderes de vários países ocidentais, incluindo o Reino Unido, França, Alemanha, Rússia e China, tenham concordado finalmente em um acordo com o Irã, que suspende algumas sanções em troca de o Irã limitar suas atividades nucleares, o Congresso dos EUA ainda não deu o seu parecer sobre o acordo para torna-lo válido.

O ACLJ e outras organizações de fiscalização têm advertido que a menos que o Irã mostre que ele está disposto a melhorar o seu histórico com relação à preservação dos direitos humanos, o país não deve receber qualquer alívio das sanções.

O grupo que representa a família de Saeed Abedini nos EUA tem feito uma campanha há anos para a libertar o pastor do cativeiro no Irã. Abedini está cumprindo uma pena de oito anos em razão de sua fé cristã e é apenas um dos quatro norte-americanos detidos pelas autoridades iranianas.

 


A 'promessa'

Em janeiro, Obama se encontrou com a esposa de Abedini, Naghmeh e também com os dois filhos do casal, na cidade de Boise (Idaho). O presidente norte-americano prometeu que a liberdade do pastor seria um tema de altíssima prioridade para ele.

No entanto, Naghmeh disse que ela está profundamente decepcionada com a notícia do acordo celebrado na última terça-feira.

"Com o anúncio de um acordo e ainda silêncio sobre o destino de Saeed e outros americanos mantidos reféns no Irã, seu destino está agora nas mãos do Congresso. Imploro a cada membro do Congresso para rever o acordo com nossa família em vanguarda de seus pensamentos. O Congresso detém a chave para trazer o meu marido de volta para casa, de volta para os meus filhos", disse ela.

Uma nova petição da ACLJ está pedindo ao Congresso que rejeite o acordo e certifique-se que Abedini e os outros três norte-americanos presos no Irã não serão esquecidos.

"Ele prometeu fazer pastor liberação de Saeed uma 'prioridade'. Em vez disso, este cidadão dos EUA [Saeed] é mantido naquela prisão, sofrendo espancamentos, tortura e dores extremas em uma das piores prisões do mundo, simplesmente porque ele é um cristão", afirma o texto da petição.

"O governo cometeu uma imperícia diplomática. Isto é injusto".


Ineficiência

Obama defendeu o acordo, dizendo que a negociação elimina o caminho para a construção de uma arma nuclear pelo Irã.

"Hoje, depois de dois anos de negociações, os Estados Unidos, em conjunto com a comunidade internacional, conseguiu algo que décadas de animosidade não tiveram: um acordo global de longo prazo com o Irã, que vai impedi-lo de obter uma arma nuclear", disse Obama na última terça-feira.

O grupo conservador 'Heritage Foundation' também criticou o acordo, no entanto, com o seu presidente, Jim DeMint afirmando que a construção de uma arma nuclear pelo Irã continua possível.

"Se permitido, o acordo de Viena, anunciado hoje [terça-feira] tornará o mundo um lugar muito mais perigoso. Ele falha completamente em eliminar a possibilidade do Irã em construir seu armamento nuclear. Na verdade, ele move o mundo um passo para mais perto de uma geração regional de armas nucleares e, possivelmente, uma guerra nuclear", alertou.

"Sob este acordo, a vasta infra-estrutura nuclear do Irã permanece em grande parte intacta. Além disso, o 'congelar' no enriquecimento de urânio é temporária e parcial. Isso não é um congelamento de fato;... É um leve 'resfriamento' no melhor dos casos. Também não há muita certeza de que o Irã vá cumprir mesmo estas condições presentes no acordo. Teerã tem uma história longa e contínua de violação das restrições da ONU, que sancionou seus programas nucleares e de mísseis".

DeMint continua a dizer que o negócio também daria ao Irã, bônus econômicos significativos, e poderia coloca-lo em uma corrida armamentista convencional em outros países da região ameaçada pelo poder crescente do Irã.

"Em suma, este acordo deixa de cumprir - mesmo que no papel - os objetivos de segurança nacional fundamentais, identificadas anteriormente pelos negociadores da administração. Em vez de parar o avanço do Irã em se tornar uma potência nuclear, ele coloca o regime em uma ladeira de status e poder nuclear, dando os meios econômicos para garantir que ele chega lá", acrescentou.

"Ao mesmo tempo, ele vai alimentar a proliferação nuclear e maior desestabilização, agravando, em vez de aliviar um ambiente de segurança já tóxico".

veja também