ONU exige apoio às 18 mil pessoas no antigo campo de refugiados tomado pelo Estado Islâmico na Síria

Membro da organização de auxílio humanitário palestiniana UNRWA diz que a situação é "mais desesperada do que nunca"

fonte: Guiame, com informações de Expresso

Atualizado: Terça-feira, 7 Abril de 2015 as 10:10

Palestinianos e sírios deixam o campo de refugiados em Yarmouk
Palestinianos e sírios deixam o campo de refugiados em Yarmouk

O acesso de agências humnanitárias ao campo de refugiados em Yarmouk, na Síria, foi exigido pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) para que 18 mil palestinianos e sírios, entre eles 3.500 crianças, sejam retirados de lá e recebam assistência.

O antigo campo de refugiados foi tomado pelo Estado Islâmico e agora está sob o controle dos jihadistas. "Não há comida, não há água e muitos poucos medicamentos... As pessoas estão isoladas nas suas casas, há combates nas ruas", diz um responsável palestiniano.

A ONU classifica como 'sub-humanas' as condições das pessoas que lá permanecem. Eles não têm mais acesso a auxílio ou alimentos.

Dina Kawar, presidente do Conselho de Segurança e embaixadora da Jordânia, fala da necessidade de ser aberta "uma passagem com proteção e uma retirada de civis."

Situação é "mais desesperada do que nunca", é como Pierre Krahenbuhl, da organização de auxílio humanitário palestiniana UNRWA, pertencente às Nações Unidas, relata o cenário à ONU.

 

veja também