Oriente Médio, África e Ásia foram os que mais perseguiram cristãos em 2014, diz relatório

Segundo o levantamento feito pelos EUA, militantes do grupo terrorista Estado Islâmico forçaram comunidades cristãs a se converter — caso contrário, eles deveriam pagar um imposto abusivo ou serem mortos.

fonte: Guiame, com informações de Christian Today

Atualizado: Segunda-feira, 19 Outubro de 2015 as 8:36

No Paquistão, Terroristas atacam casas de culto e reuniões religiosas. (Foto: AFP/ Arif Ali)
No Paquistão, Terroristas atacam casas de culto e reuniões religiosas. (Foto: AFP/ Arif Ali)

Em 2014, a perseguição e o assassinato de cristãos se intensificou fortemente em países do Oriente Médio, África e Ásia, de acordo com o Relatório Internacional de Liberdade Religiosa desenvolvido pelo Departamento de Estado dos EUA, divulgado nesta quarta-feira (14).

Segundo o levantamento, militantes do grupo terrorista Estado Islâmico forçaram comunidades cristãs a se converter — caso contrário, eles deveriam pagar um imposto abusivo ou serem mortos. Enquanto isso, milhares de mulheres e crianças foram sendo sequestradas, vendidas, escravizadas e estupradas.

O Departamento de Estado dos EUA acusou o presidente sírio Bashar Assad de permitir que o EI e outros grupos extremistas islâmicos se espalhassem e ganhassem força em algumas áreas, enquanto afirma ser o "protetor" das minorias da Síria.

O relatório também citou determinados "governos fracos" que "se revelaram impotentes para impedir a violência". Ele disse que "as autoridades, em muitos casos, não se incomodaram em investigar os abusos, muito menos em prender e processar os responsáveis ​​pelos ataques."

O relatório listou países que tiveram as piores atrocidades do último ano:

● Nigéria e países vizinhos: O grupo Boko Haram matou mais cristãos e muçulmanos "moderados" em 2014 do que nos últimos cinco anos, destruindo centenas de igrejas e mesquitas.

● Irã: O governo perseguiu, deteve e executou cristãos e outras minorias religiosas, que foram acusadas ​​de fazer "inovações na religião".

● China: Cristãos, muçulmanos e outras minorias enfrentaram assédio por parte de oficiais.

● Paquistão: Os infratores das chamadas leis de blasfêmia enfrentaram discriminação e até mesmo a morte. Terroristas atacam casas de culto e reuniões religiosas.

● Myanmar: Monges budistas intensificaram sua campanha contra os muçulmanos rohingya, alguns dos quais tiveram suas terras e propriedades confiscadas. 

● Arábia Saudita: Um tribunal condenou um jovem blogueiro a dez amos de prisão e mil chibatadas por "insultar o Islã."

● Sudão: Uma mulher muçulmana recebeu uma pena de 100 chicotadas e morte por enforcamento por cometer adultério e apostasia ao se casar com um homem cristão.

A violência resultante da intolerância religiosa não se limita apenas a países sub desenvolvidos. Em 2014, o relatório observou que a França e a Alemanha enfrentaram uma onda de sentimento "anti-Israel", cruzando a linha do anti-semitismo. Quatro pessoas foram mortas no Museu Judaico da Bélgica por um muçulmano francês. O relatório registrou que a violência é marcada por uma onda de discursos de ódio e profanação.

veja também