'Ou eu matava meu primo ou ele me matava', disse adolescente forçado a combater pelo Estado Islâmico

Mais de 600 crianças foram recrutadas pelo Estado Islâmico, e quase 40 foram mortas. Meninos com deficiência mental tem sido convocados a se tornarem homens-bomba.

fonte: Guiame, com informações de The Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 14 Maio de 2015 as 9

Meninos revelaram que foram forçados a lutar contra os próprios parentes muçulmanos.
Meninos revelaram que foram forçados a lutar contra os próprios parentes muçulmanos.
 
Dois meninos de 13 anos de idade, treinados para combater pelo Estado Islâmico, revelaram que foram forçados a lutar contra os próprios parentes muçulmanos pelo grupo terrorista. As informações foram passadas pelos garotos depois de serem capturados por uma filial da Al-Qaeda na Síria.
 
"Os muçulmanos estão matando muçulmanos. Meu primo estava do outro lado, então ou eu matava meu primo ou ele me matava", disse um dos garotos em um vídeo divulgado por Jabhat al Nusra, na quarta-feira (13). O vídeo mostra os meninos de pé diante de uma bandeira da Al-Qaeda, que está reunindo forças para combater o EI.
 
Mujahid al Shami, diretor da campanha de oposição, disse que a cidade síria de Deir el Zor, de onde os garotos vieram, está sendo abatida em silêncio. "Só em Deir el Zor, existem mais de 600 crianças que foram recrutadas pelo Estado Islâmico, e quase 40 foram mortas."
 
A maioria dos soldados infantis do EI vieram de Deir el Zor e Raqqa, onde o grupo terrorista tem sua sede, de acordo com o Internacional Business Times.
 
Sheikh Shamo, membro do parlamento iraquiano, disse na quarta-feira que o EI também está forçando crianças iáziges a se tornarem soldados jihadistas, e meninos com deficiência mental para se tornarem homens-bomba.

veja também