Paquistanesa cristã, Asia Bibi pode ser absolvida das acusações de blasfêmia em breve

Segundo o oficial da Associação Cristã Britânica / Paquistanesa (BPCA), Naveed Aziz, as recentes decisões da suprema corte paquistanesa mostram que a absolvição da cristã é uma "questão de tempo".

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Quarta-feira, 22 Julho de 2015 as 1:30

Anteriormente condenada à morte por 'blasfêmia' contra o islamismo, a paquistanesa cristã Asia Bibi teve sua execução suspensa temporariamente pela Suprema Corte de seu país e agora poderá ser totalmente absolvida destas acusações.

Segundo o oficial da Associação Cristã Britânica / Paquistanesa (BPCA), Naveed Aziz, a pena de morte de Asia Bibi tem sido mantida, mas sua libertação da prisão é uma "questão de tempo".

"A Suprema Corte do Paquistão tem ficado execução de Asia Bibi sob a acusação de blasfêmia. O plenário da Suprema Corte ordenou em uma audiência recente que não sejam mais implementadas penas de morte até uma nova ordem. Estou satisfeito com esta decisão. É óbvio que a internacional pressão levou a esta decisão incrível e agradeço a todas as pessoas que tenham declarado a sua liberdade. Irmã Asia terá que passar mais um tempo na cadeia, mas sua liberdade é agora uma possibilidade real e é apenas uma questão de tempo", afirmou.

Considerada culpada pelo ato de 'blasfêmia' em novembro de 2010, Bibi ficou presa por cinco anos e está atualmente no corredor da morte. Ela continua a negar as acusações de que tenha insultado o profeta Maomé. As acusações foram feiras contra ela por ex-colegas.

Grupos de direitos humanos dizem que as estritas leis de blasfêmia do Paquistão são frequentemente utilizadas por extremistas, com falsas acusações feitas contra os cristãos, a fim de acertar contas pessoais ou para a apreensão de bens ou empresas. O caso de Bibi ganhou as manchetes mundiais, quando dois proeminentes políticos foram assassinados depois de tentarem ajuda-la.

Seguindo o resultado mais recente, o Presidente da BPCA, Wilson Chowdhry celebrou a notícia da possível libertação de Bibi, mas condenou as leis de blasfêmia como "draconianas", acrescentando que estas são uma "ferramenta para o aumento da discriminação, vinganças e ódio".

"A impunidade com relação aos autores de falsas acusações pode provocar o ódio da comunidade, ampliado pela intolerância e permissão similar para mesquitas pregarem o ódio. Criaram uma situação tóxica para as minorias. Elas [minorias religiosas] agora estão fugindo Paquistão em seus rebanhos com milhares e milhares por serem novamente perseguidos em países do Sudeste Asiático, como Tailândia, Malásia e Sri Lanka", acrescentou Chowdhry.

"As pessoas em todo o mundo podem agora respirar mais aliviados. Nossos esforços têm alcançado sucesso e nossa irmã, embora ainda confinada e sem plena liberdade, agora sabe que sua liberdade está prestes a ser alcançada. A família de Bibi ainda terá o nosso apoio e orações e nós não vamos desempara-los ou abandonar os milhões de outras vítimas que sofrem no Paquistão".


Intolerância religiosa

O Paquistão tem combatido a discriminação contra as minorias religiosas e um relatório divulgado em dezembro do ano passado classificou a região como um "ambiente opressivo", que foi foi tornando-se "cada vez mais difícil para muitas comunidades religiosas viverem de forma segura e livre de perigo nos lugares onde eles têm muitas vezes passado a maior parte das suas vidas".

A Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional solicitou em maio que o governo Obama designasse o Paquistão como um "país de preocupação particular".

"O governo não conseguiu proteger os cidadãos, minoria e maioria de forma igualitária. A violência sectária, religiosamente motivada e as autoridades paquistanesas não têm consistentemente mantido a justiça ou tomado medidas contra os agentes sociais que incitam à violência", disse a Comissão no seu relatório anual.

veja também