Paquistão não é lugar seguro para minorias, incluindo cristãos, viverem

Especialista diz que o país se tornou um 'Estado muito perturbador'

fonte: guiame.com.br

Atualizado: Quinta-feira, 18 Setembro de 2014 as 9:12

PaquistãoEm palestra na Columbua, uma especialista declarou que o Paquistão é um país em que minorias não vivem seguras, incluindo os cristãos.

'Estado muito perturbado' é o que se tornou o Paquistão de hoje, contradizendo os sonhos do fundador Muhammad Ali Jinnah.

O professor emérito da Universidade, Ainslie Embree, editor-chefe da Enciclopédia de História da Ásia (1989), observou que o Paquistão tornou-se o Estado que Jinnah nunca quis quando o fundou.

Em agosto de 1947, durante a primeira assembleia constituinte, Jinnah afirmou que o Estado não tinha nada a ver com a religião dos cidadãos, mas, ao contrário do que pensava, hoje as minorias não vivem seguras lá.

Nos últimos 30 anos, o que se é dito sobre o Paquistão é que o Estado está “à beira do desastre”, disse Embree. Uma colaboradora da Portas Abertas na região afirmou: “Todos os dias agradeço a Deus por todos os irmãos que estão orando por nós. Nós somos muito abençoados por ter nossa família em Cristo intercedendo por este país”.


com informações da Portas Abertas

 

 

veja também